As 10 maiores causas para a falta de desejo sexual masculino

Sabia que o interesse sexual muitas vezes depende do equilíbrio entre os fatores cognitivo-emocionais e fisiológicos? E sabia que a falta de desejo sexual é uma situação muito comum nos homens? Estes são alguns dos principais motivos para a falta de desejo sexual masculino:

Cansaço e o stress da rotina diária
O cansaço e o stress da rotina diária são as causas que mais prejudicam o desejo sexual masculino. A tensão acumulada pode levar ao decréscimo dos níveis de testosterona e produção de esperma nos homens. A falta de desejo, devido ao cansaço físico e mental, pode originar situações como ejaculação precoce ou incapacidade em manter a ereção.

Depressão
A depressão pode estar a ser desenvolvida por sentimentos como a angústia, principalmente, nos momentos em que fica a ruminar nas situações da vida que o perturbam, podendo assim agravar a perda do interesse sexual. Algumas pessoas optam por recorrer a medicamentos para tentar solucionar esta situação, porém, por vezes, estão a mascarar e/ou a acentuar os sintomas, alterando ainda mais a líbido sexual.

Traumas
As más experiências sexuais podem despoletar alguns medos e inseguranças. Quando estes traumas se tornam frequentes, podem prejudicar o desempenho e espontaneidade da pessoa, contribuindo assim para a diminuição do interesse sexual.

Disfunção erétil / Impotência sexual
Muitos homens apresentam dificuldades em alcançar ou manter a ereção. Esta situação pode ocorrer devido a vários fatores, desde o consumo de medicamentos/suplementos; o consumo de tabaco e o álcool excessivo; as doenças crónicas bem como causas psicológicas/emocionais, nomeadamente o constante receio de falhar e a insegurança emocional.

Insatisfação com o corpo
Outro motivo muito constante para a diminuição da líbido é a preocupação e insatisfação com a imagem corporal, nomeadamente no momento de maior intimidade. As pessoas que se sentem insatisfeitas consigo mesmas, dificilmente conseguem libertar-se no momento de maior intimidade, deixando que interfira nesse que deveria ser um momento de grande cumplicidade e naturalidade.

Obesidade
A obesidade pode ser um problema grave para muitos homens. O excesso de peso pode interferir de forma significativa com a perda da líbido e com o acentuar da baixa autoestima. Por outro lado, pode também contribuir para a diminuição dos níveis de testosterona, que é importante para manter o desejo sexual e a ereção. Assim, os homens que sofrem de obesidade, podem ter mais dificuldades no desempenho da relação sexual, uma vez que o excesso de peso pode incitar um aumento da tensão alta entre outros sintomas, que podem reduzir o fluxo de sangue para o órgão sexual, que é o que sustenta a ereção.

Falta de estímulos
Os estímulos partilhados numa relação são muito importantes e fundamentais para despertar o desejo. A comunicação também é um fator importante entre os parceiros, assim como o conhecimento dos estímulos – visuais ou táteis – que despertem o prazer e o desejo. Quando não há diálogo acerca da intimidade e existe falta de dedicação a esses momentos é possível que possa ocorrer eventualmente uma perda do interesse sexual.

Conflitos na relação
As discordâncias e os desentendimentos levam à desconfiança e ao desgaste da relação. Estas situações também são responsáveis para que haja um menor interesse sexual, culminando em situações conflituosas e sentimentos como o ressentimento na relação.

Insónia
Manter um hábito de dormir pouco, pode causar maior stress e ansiedade no organismo, modificando a forma como o sangue flui, prejudicando assim a ereção do homem. Quando existe grande tensão e stress acumulado, o corpo pode sofrer transformações, produzindo substâncias que prejudicam o sono, tais como o cortisol e a adrenalina.

Culpa
Quando sofrem de disfunção erétil ou impotência sexual, tendencialmente os homens sentem-se culpados por se sentirem incapazes de corresponderem às expectativas e acharem que deixam de dar prazer à parceira. Com estes pensamentos acabam por evitar a relação sexual, com receio de serem incapazes de satisfazer a parceira.

Atualmente, sabe-se que em muitos casos, as disfunções sexuais, os problemas e/ou queixas sexuais e a perda de interesse sexual estão associadas a questões psicológicas e emocionais.

Como é no seu caso? Talvez sinta com frequência, desconforto durante a relação sexual e até possivelmente, nos últimos tempos, se tenha sentido desmotivado consigo mesmo, quer a nível físico quer a nível emocional. Estas são situações complexas que podem prejudicá-lo a si e à sua relação. Saiba que a nossa clínica pode ajudá-lo. Contacte-nos para mais informações.

Leia também o testemunho do Alexandre no nosso artigo “Ejaculação precoce – uma história que pode ser a sua”

Ejaculação precoce

Ejaculação precoce

Teste: É agressivo com quem mais ama?

A agressividade é um assunto muito debatido na atualidade no âmbito da violência doméstica e não só. Alguma vez pensou no sofrimento das pessoas que não têm autocontrolo ao ponto de libertarem toda a sua carga emocional e frustração nos que o rodeiam? E como é no seu caso? Também sente dificuldades em controlar as suas emoções? Por vezes, sente desconforto e incapacidade em controlar o seu comportamento acabando mesmo por ser violento? Por vezes sente-se culpabilizado por ser incapaz de controlar o seu comportamento impulsivo e torna-se mais agressivo com os outros?

Responda aos itens abaixo e verifique se está de acordo ou desacordo com cada um, consoante as suas ações nos últimos tempos.

QUESTÕES SIM NÃO
1 – Consegue tolerar uma opinião diferente da sua?
2 – Fica agressivo (a) quando é contrariado (a) ou algo não corre como planeado?
3 – Fica agressivo (a) quando a (o) sua (seu) parceira (o) decide sair com amigos (as)?
4 – Costuma ter muitas discussões em que o tema são os amigos e familiares?
5 – Tem alterações de humor com facilidade?
6 – Costuma fazer muitas críticas ao outro?
7 – Costuma fazer autorreflexões sobre si e sobre o seu comportamento?
8 – Faz promessas difíceis de cumprir?
9 – Sente que os outros querem aproveitar-se de si?
10 – Tem uma boa relação com os familiares da (o) sua (seu) parceira (o)?
11 – Gosta de ter tudo sobre o seu controlo?
12 – Costuma mentir?
13 – Costuma chantagear para obter o que quer?
14 – Já humilhou e/ou insultou publicamente a (o) sua (seu) parceira (o)?
15 – Sente que na sua vida não existe um meio-termo ou está tudo muito bem ou muito mal?
16 – Sente ciúmes excessivos pela (o) sua (seu) parceira (o) chegando a ser agressivo (a)?
17 – Controla o dia-a-dia e o telemóvel e/ou as redes sociais da (o) sua (seu) parceira (o)?

18 – Considera que quando perde o controlo do seu comportamento a culpa é dos outros?

19 – Já alguma vez foi violento (a) e agressivo (a) com a (o) sua (seu) parceira (o)?

Se respondeu “sim” a mais do que três afirmações, procure ajuda profissional urgentemente. Os comportamentos agressivos podem ter muitas explicações, e muitas vezes estão associados à dificuldade que sentimos em lidar com as emoções negativas e com as situações de conflito, recorrendo à violência como forma de as resolver.

Lembre-se, todos nós humanos, vivemos algumas situações de maior frustração, assim como emoções negativas, como medo, tristeza, frustração, revolta que são indicadores de que algo não está bem connosco mesmos e que, portanto, é preciso mudar. Podemos ajudar a encontrar novas formas para lidar com as suas dificuldades, a relativizar as situações que o incomodam, a mudar o seu comportamento e reações e a extinguir todo o seu sofrimento. Para saber mais, procure-nos para uma consulta informativa gratuita.

PS: Se respondeu “Sim” a 2 ou menos perguntas, aproveite para fazer este teste:

É uma pessoa ciumenta? Teste o seu ciúme com 4 perguntas.

É uma pessoa ciumenta? Teste o seu ciúme com 4 perguntas.

A minha vida não tem sentido!

“A minha vida não tem sentido!” Este foi o pedido de ajuda de Dolores. Muitos de nós sofremos traumas. Talvez de abuso sexual ou talvez de agressão na infância ou talvez um acidente que não conseguimos esquecer e que ficou lá no fundo da nossa mente, suprimido da nossa memória e sofremos sem saber o porquê! Carregamos essa dor, imersos em silêncio durante anos ou até mesmo décadas a fio, perdendo o sentido da vida, desconhecendo que é possível curar essas feridas da alma.

Sinto-me gratificada e feliz ao ver que através da hipnoterapia, a Dolores mudou a sua história. Após longos anos de depressão, e muita raiva a todos os que a rodeavam e à vida, ela conta que superou o abuso sexual que sofreu na infância, e como reencontrou o sentido para a sua vida, deixou um trabalho que não gostava e que lhe causava stress, começou a sentir-se com mais energia, alegre, proativa e feliz consigo mesma e com a sua família e até encontrou a sua vocação profissional. Conta ainda, por outro lado, que pode ajudar uma irmã e uma amiga que passaram pelo mesmo, aconselhando-as a resolveram os seus sofrimentos e traumas da infância.

Caso tenha vivido situações semelhantes na sua vida, poderá também ajudar-se e libertar-se do seu passado, curar as feridas da sua vida e possivelmente ajudar outras pessoas, a reencontrar o caminho e um novo sentido. Contacte-nos para uma consulta informativa gratuita.

Jatir Schmitt
Diretora do Corpo Clínico e Psicóloga Clínica