Como viver melhor com estas 8 dicas

A vida por vezes surpreende-nos. Exige que avancemos mesmo quando não sentimos motivação ou capacidade para avançar. Faz com que sejamos autocríticos e nos tornemos os nossos piores inimigos. Outras vezes, sentimos um vazio inesperado, uma tristeza incomparável ou uma ligeira desmotivação. E aos poucos, estas sensações tornam-se verdadeiramente incapacitantes, incisivas e difíceis de extinguir.

Preocuparmo-nos com nós próprios deve ser a nossa prioridade. Adotar hábitos de vida saudáveis é um passo essencial para uma saúde plena. Siga estas 8 dicas e aumente definitivamente o seu bem-estar:

Crie momentos bons e promova-os
Torne-se o único responsável pelo seu bem-estar. Aceite que existem dias que nos fazem sentir distintas emoções que podem esgotar-nos velozmente, porém entenda-as e desapegue-se delas quando sentir que é o momento certo.
Acredite mais em si e que é capaz
Só conseguirá vencer o amanhã se insistir no hoje. Valorize aquilo que já possui, e percecione o que pretende alcançar.
Invista mais em si, incentive-se mais
Pratique mais otimismo para a sua vida, evite a vitimização, porque toda a pessoa humana tem forças em si mesmas, capazes de nos mover quando adotamos novos trajetos, restabelecendo as fraquezas e adaptando-as em resistências emocionais e espirituais.
Expulse o Stress
O stresse pode ser considerado também como um conjunto de respostas físicas e mentais de uma incapacidade de distinguir entre o real e as experiências e expectativas pessoais. Tente descobrir o que pode estar a causar tensão e aborrecimento e tente contornar essas causas. Mantenha bons pensamentos; cultive bons propósitos. Relaxe, esvazie a mente de preocupações!
Antecipe-se à doença
A deteção precoce de algumas doenças, sobretudo as oncológicas, é essencial para um tratamento mais eficaz. Tente estar atento a sintomas ocasionais. E lembre-se que é importante realizar rastreios de saúde com frequência! Esteja vigilante e atento.
Dedique-se à atividade física
Dedique os seus tempos livres para realizar alguma prática de atividade física. Procure exercitar-se em locais que lhe permitam o contacto com a natureza. Como por exemplo, uma caminhada à beira-mar, permita que as ondas molhem os seus pés, enquanto caminha. Ao mesmo tempo, inspire e expire calmamente, e vá deixando para trás tudo o que lhe for desconfortável e incómodo, aproveite essa caminhada para revitalizar as suas energias e fazer uma limpeza emocional em si mesmo.
Mantenha uma boa alimentação.
Uma dieta variada e saudável é a chave de ouro para uma boa alimentação e para nos sentirmos bem. Procure escolher bons alimentos, que sejam nutritivos, saudáveis, essenciais para atingir as recomendações nutricionais do seu corpo. Analise por outro lado, quais os alimentos que lhe causam desconforto e possíveis intolerâncias alimentares. Exclua-os da sua alimentação optando por outros mais adequados que sejam mais apropriados para si, trazendo-lhe a sensação de bem-estar.
Cuide da sua Saúde Mental
Sentir-se bem consigo próprio é essencial para uma boa autoestima, e para se tornar mais otimista. Procure aprender coisas novas realizar sempre atividades que gosta, que o façam sentir-se bem!

Se perante estas dicas, sente que encontra algumas limitações ou dúvidas de como promover mudanças na sua vida e adaptar a sua rotina de forma a sentir-se melhor consigo mesmo, a Clínica PSIC pode ajudá-lo na sua autotransformação através de apoio terapêutico. Contacte-nos para uma consulta informativa gratuita.

Já agora, mantenha-se também uma pessoa positiva com estes 6 conselhos:

Chávena de Chá

Um professor de filosofia foi ter com um mestre e fez-lhe perguntas sobre Deus, meditação e muitas outras coisas. O mestre ouviu-o em silêncio e depois disse:
– Pareces cansado. Escalaste esta alta montanha, vieste de um lugar longínquo. Deixa-me primeiro servir-te uma chávena de chá.

O mestre foi fazer o chá e o professor fervilhando de perguntas, esperou. Quando o mestre serviu o chá encheu a chávena do seu visitante e continuou a enchê-la. A chávena transbordou e o chá começou a cair do pires até que o professou gritou:
– Pára. Não vês que o pires está cheio?
O mestre respondeu:
– É exatamente assim que te encontras, meu caro. A tua mente está tão cheia de perguntas, que mesmo que eu te responda não tens espaço para a minha resposta. Sai, esvazia a chávena e depois podes voltar.

Autor Desconhecido

Apaixonado ou dependente? Amor ou Dependência Emocional?

Na dependência emocional a pessoa age de forma totalmente dependente da outra pessoa, para que possa sentir-se segura, perdendo completamente a sua personalidade e liberdade interior, focando-se só nos pensamentos e opiniões da outra pessoa. Necessita da aceitação e aprovação dessa pessoa para conseguir lidar com as decisões da sua vida. Tem dificuldades em aceitar o seu próprio valor e de tomar as suas próprias decisões. Por vezes torna-se submissa e insegura, aceitando relações destrutivas como uma recompensa.

Alguns sinais para detetar uma situação de dependência emocional…
1- Necessidade constante de estar a comunicar com a outra pessoa.
2- Desequilíbrio de poder na relação.
3- Medo e pânico de perder a outra pessoa.
4- Sobrevalorizar excessivamente a oura pessoa, tendo-a como prioridade em qualquer situação.

A dependência emocional não é Amor! As pessoas dependentes emocionalmente, anulam-se, desvalorizam-se com tanta intensidade que acabam por perder a sua identidade. Dedicam todo o tempo à outra pessoa, e exigem que o outro se empenhe na mesma proporção. Porém quando se consciencializam, que a dedicação e afeto não estão a ser recebidos mutuamente, revoltam-se e ficam frustradas pela falta de valorização e reconhecimento. Criam sentimentos como a raiva incontrolável sobre os outros, e sobre si mesmos, somente porque vivem em função da vida da outra pessoa, e quando percebem que não são correspondidas, é-lhes penoso aceitar que podem viver sem a sua presença!

Se já viveu uma situação semelhante à dependência emocional, ou por algum motivo tem de lidar com situações idênticas, podemos ajudar com o tratamento psicológico necessário, estabelecendo estratégias que ajudem a combater este hábito, identificando as suas crenças irreais e desmistificando os paradigmas que alimentam estes comportamentos. Contacte-nos para mais informações! 

 

Aproveite para testar a sua autoestima aqui