A Hiperatividade não é um problema de comportamento! 7 dicas para lidar com uma criança hiperativa

A Perturbação de Hiperatividade com Défice de Atenção (PHDA) não é falta de concentração por falta de empenho ou um comportamento indisciplinado resultante da educação dada pelos pais. A Hiperatividade é uma doença neurobiológica, não é uma condição psicológica em que se as pessoas quisessem conseguiriam ser pontuais, organizadas, disciplinadas ou que passa a qualquer momento. Pedir a uma pessoa Hiperativa para se concentrar e organizar é a mesma coisa que pedir a uma pessoa com dificuldades motoras para correr mais depressa.

 

Este distúrbio provoca problemas de aprendizagem, integração, socialização e sofrimento, não só para quem sofre da doença, mas também para com quem ela lida. Uma pessoa com PHDA terá sempre PHDA, mas poderá aprender a lidar com as características deste distúrbio e com a ajuda de psicofármacos é possível controlar os sintomas.

 

7 dicas para lidar com a PHDA

Embora o acompanhamento com um profissional seja bastante eficaz, e a intervenção precoce previna o impacto na vida adulta, o convívio com uma criança hiperativa pode ser muito desgastante, no entanto, é necessário amenizar a situação e promover uma boa convivência com a doença:

 

  1. Imposição de limites

Devido à grande inquietude das crianças hiperativas, há uma tendência à intolerância a regras. Portanto, cabe aos pais impor limites desde cedo e, a partir de recompensas e correções, demonstrar a importância do respeito às regras.

 

  1. Incentivo à organização

Um dos grandes problemas das crianças com PHDA é a manutenção de disciplina, principalmente nas tarefas escolares. Assim, é essencial que haja um estímulo à organização de todas as tarefas. É possível obter grandes ganhos a partir da utilização de cronogramas e agendas, tudo que estimule a manutenção de uma rotina produtiva na vida da criança.

 

  1. Paciência e compreensão

Embora muitas vezes seja difícil os pais manterem-se serenos perante as atitudes de uma criança hiperativa, a repreensão nem sempre é o melhor caminho. É necessário compreender e tentar lidar da melhor maneira possível, pois nem sempre a criança tem consciência do que está a fazer. Exemplo: a criança sabe e percebe que no cinema tem que ficar sentada, mas ela não é capaz de o fazer.

 

  1. Evitar comparações

É comum que muitos pais comparem as crianças, ou com outro filho ou com outras crianças, com o objetivo de conseguirem mudanças de comportamento. No entanto, essa comparação pode não ser saudável, uma vez que certas atividades representam um grau de dificuldade elevadíssimo para as crianças com PHDA, além do risco de desenvolvimento de problemas de autoestima nas crianças.

 

  1. Estimular a prática de atividades físicas

A prática de exercícios físicos é muito benéfica para as crianças hiperativas, para que possam canalizar o excesso de energia de uma forma segura e adequada, como no caso da natação, artes marciais, atletismo, ginástica e dança.

 

“As crianças com PHDA não fazem porque não querem, mas porque não são capazes de fazer aquilo que sabem que devia ser feito”.

Se suspeita que o seu filho sofre de Perturbação de Hiperatividade com Défice de Atenção, contacte-nos para marcar um rastreio.

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Patrícia Pereira – Psicóloga Clínica

Qual deve ser o papel dos avós na educação de uma criança?

A contribuição dos avós na vida dos netos é importante para o seu desenvolvimento emocional. Não importa se a família é pequena ou extensa, usufruir dos cuidados de um avô ou avó é um dado importante na autoestima de uma criança.

 

Tornar-se avô ou avó é uma passagem de evolução e crescimento pessoal, a experiência amplia-se, a tomada de responsabilidade é outra. É um novo mundo, de descobertas, ideias e melhoramentos. Dá um novo sentido à vida, uma nova alegria, uma sensação de valorização social e pessoal.

 

Na nossa cultura, os avós assumem uma participação ativa nos cuidados dos netos, auxiliando os pais no seu dia-a-dia. Participam nas brincadeiras, dão carinho, amor, alegria, transmitem valores, costumes, regras e são companheiros. Partilham as suas histórias e da família e transportam palavras sábias para toda a vida.

 

Se quer saber mais sobre o tema da parentalidade, leia aqui o artigo Como exercer uma parentalidade positiva?

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Ana Macedo – Psicóloga Clínica

É possível aprender a estar deprimido?

Ao longo da vida vão surgindo momentos que nos fazem sentir raiva, culpa, frustração, mágoa e revolta. No entanto, muitas vezes escondemos estas emoções. Este facto vai-nos entristecendo pouco a pouco, desapegamo-nos da nossa essência, e vamo-nos recolhendo no nosso mundo até que toda esta repressão de emoções se transforma em sintomas. Este padrão de comportamento gera em nós uma aprendizagem de um estado depressivo, que se vai consolidando até ao momento em que deixamos de suportar a dor e o nosso sistema sucumbe.

 

É neste momento que um psicólogo clínico devidamente qualificado consegue ajudar. Com o apoio profissional, nomeadamente, através da hipnoterapia, é possível extinguir esta aprendizagem a um ritmo que seja apropriado para si.

 

A seguir apresento-vos o testemunho da Cristina que, através de um acompanhamento psicológico intensivo e de hipnose na nossa Clínica, conseguiu extinguir esta aprendizagem há tanto tempo enraizada.

 

A Cristina foi uma criança e uma jovem alegre, feliz, livre e espontânea, voltada para as artes e para a criatividade. Mas à medida que convivia com pessoas tristes e fechadas, a Cristina abriu mão da sua essência e trocou a sua alegria de viver pela tristeza presente no seu ambiente.

 

Era uma vida cheia de tarefas, obrigações, responsabilidades e tudo em função do “outro”… mal tinha tempo para dormir ou comer! Quando me deparo com uma mudança extrema, fico desempregada, o “outro” já não existe e apenas tenho que cuidar de mim, já não sei como fazer. De uma vida de caos é agora uma vida vazia. A depressão aparece mais forte e instala-se nesse vazio. O meu nome é Cristina e tenho 37 anos. A terapia foi essencial para sair da sombra e aparecer para a vida! Foi uma terapia adequada ao meu problema e ajustada aos meus progressos. Tenho agora um caminho e tenho a energia necessária para o percorrer. Agradeço todo o carinho e em especial ao empenho da Doutora Jatir em me ajudar. Bem haja!”.

 

Se gostaria de saber mais sobre o tema da Hipnose, clique aqui.

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica e Hipnoterapeuta