Quer dormir melhor? Respeite os seus horários

O sono é muito importante para o funcionamento diário e qualidade de vida, é ele o responsável pela restauração física e mental. Pequenas alterações no nosso dia-a-dia podem prejudicar uma boa noite de sono e levar ao humor irritável, cansaço, falta de concentração…

Como refere o artigo Sempre cansado e irritável? A culpa pode ser do jet lag social,

publicado na revista Visão Mais, o simples facto de alterar o seu padrão de sono nos dias de descanso pode provocar “um desajuste que afeta o metabolismo do corpo” e “confundir o relógio biológico”.

Ter um horário de deitar e acordar consistente é um dos aspetos fundamentais para garantir uma boa higiene do sono e uma noite de sono reparadora. Além disso, existem outros aspetos que pode ter em conta:

  • Garantir que o ambiente de dormir é agradável e confortável;
  • Evitar o uso de aparelhos eletrónicos no quarto (telemóvel, computador, TV);
  • Evitar ingerir cafeína ou grandes quantidades de açúcar perto da hora de deitar;
  • Evitar fazer exercício físico em demasia até 3 horas antes de se deitar;
  • Criar um conjunto de hábitos que indiquem a proximidade da hora de dormir – escovar os dentes, vestir o pijama, apagar a luz, despedir-se do companheiro (a), entre outros.

Esteja atento às suas rotinas diárias e tenha uma boa noite de sono.

Saiba mais sobre as perturbações do sono e como podemos ajudar em www.psic.com.pt/intervencao-perturbacoes-do-sono/

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

psic-equipa-carlasantos

Carla Santos – Psicóloga Clínica

Como relaxar com os seus filhos (e ensiná-los a relaxar)?

Se teve um dia agitado e cansativo, aproveite para acalmar o seu próprio ritmo e nível de stress. Se por outro lado, teve um dia tranquilo, brinque com os seus filhos, dance, faça uma guerra de almofadas e aos poucos vá acalmando o ambiente. Se cansar os seus filhos, mais depressa vão conseguir relaxar. O relaxamento pode ser realizado antes de dormir ou em outros momentos do seu dia-a-dia.

 

Algumas dicas sobre como relaxar com os seus filhos:

  1. Escolha um horário adequado para todos e crie um ambiente bom para relaxar. Sem barulhos incomodativos e reduza as distrações.
  2. Coloque uma música calma, por exemplo, com sons da natureza ou instrumentais como piano, flauta, viola.
  3. A posição ideal é deitada, confortavelmente, de barriga para cima.
  4. Fechem os olhos. Inspirem pelo nariz e expirem pela boca, lenta e profundamente. Repitam esta respiração, pelos menos, três vezes.
  5. Agora, conte uma história simples, uma história alegre, real ou imaginária. Pode optar por contar uma história de um livro, uma memória feliz da sua vida ou até algo que tenham feito em conjunto – seja criativo!
  6. Antes de terminar, permaneçam com os olhos fechados, por mais alguns minutos. Sintam o amor incondicional que vos une. Para finalizar, diga o quanto ama os seus filhos e que vão sentir-se muito bem quando acordarem, felizes e tranquilos.
  7. Para despertar podem começar por movimentar o corpo suavemente, mexendo os braços, as pernas, os pés… e vão abrindo os olhos lentamente.
  8. Para finalizar, façam uma última respiração – inspirando pelo nariz e expirando pela boca, lenta e profundamente.

 

É natural que as crianças, inicialmente, demonstrem alguma resistência. No entanto, à medida que for repetindo estes exercícios, acabarão por se tornar rotineiros e pouco a pouco os seus filhos vão aprender a relaxar. Não desista!

 

Este relaxamento pode ser adaptado. Você melhor que ninguém conhece os seus filhos! Seja criativo e dê asas à imaginação. Não tenha medo, faça-o de coração, faça-o com amor.

 

Se quiser partilhar a sua experiência ou tirar dúvidas e receber orientações, entre em contacto connosco.

 

Se quiser saber mais sobre educação e parentalidade leia também o artigo Como exercer uma parentalidade positiva?

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

 

Ana Macedo – Psicóloga Clínica

psic-equipa-anasantos

 

Ataques de pânico – “Vitória após vitória, hei-de conseguir!”

“Há cerca de 4 anos comecei a não me sentir muito bem em espaços fechados. Tudo o que não tivesse uma saída fácil criava desconforto. Recordo-me de um anexo da minha anterior casa que apenas tinha a porta e uma janela onde eu não passava. E se alguém me fechasse a porta? Então, eu fiz uma chave e arranjei um sítio para a chave, que só eu sabia que estava lá. Com o passar do tempo apareceram os ataques de pânico e, já não era só o anexo que me preocupava. Comboio, metro, elevadores, basicamente tudo o que fosse de difícil saída. Até que cheguei ao ponto de entrar em pânico no trânsito, em sítios que antes adorava e agora me provocavam medo, de nevoeiro denso, de uma simples ida ao shopping de sempre.

 

Foi então que decidi que precisava de ajuda. Por mim, pela minha esposa, mas principalmente pelo meu filho. Conheci a PSIC numa pesquisa online e decidi que era aqui que podia estar a solução. Eu pensava que depois de fazer o tratamento aconselhado nunca mais me ia lembrar que tinha os problemas, mas com o passar das sessões fui percebendo que não ia ser assim, tinha que ser eu a primeira pessoa a ajudar-me. Não sei se voltarei a passar o que passei, mas sinto-me muito mais confiante em relação ao futuro, mais calmo e principalmente ensinaram-me as técnicas e deram-me as ferramentas necessárias para ultrapassar tudo isto. Ainda não tentei entrar no metro, mas tenho-me controlado no trânsito, tenho ido ao shopping com a família e apesar de me lembrar do que passei, as coisas têm corrido bem. Vitória após vitória, hei-de conseguir!”

 

O Rui realizou um tratamento intensivo, personalizado e orientado para as suas dificuldades. Através de técnicas combinadas (hipnose, terapias psicossensoriais e de biofeedback), aprendeu estratégias para lidar com os ataques de pânico e as suas fobias, os sintomas desapareceram e retomou a sua vida.  O Rui é o exemplo de que adiar o pedido de ajuda e prolongar o sofrimento é restringir a liberdade.

 

Se esta história lhe é familiar, é hora de procurar ajuda.

Se quiser saber mais sobre Como surge um Ataque de Pânico?  consulte este artigo ou descubra o nosso método aqui.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica e Hipnoterapeuta

psic-equipa-jatirschmitt