Como saber se é vítima de violência psicológica?

Violência psicológica é toda a ação que causa ou visa causar dano à autoestima, à identidade ou ao desenvolvimento da pessoa. A violência psicológica passa por ameaças, humilhações, chantagem, cobranças de comportamento, discriminação, exploração, crítica pelo desempenho sexual, rejeição, depreciação, desrespeito, punições ou castigos exagerados, isolamento de amigos e familiares, intimidação, domínio económico e até ameaça de morte.

Hoje, temos consciência de que a violência psicológica ou emocional é uma agressão tão ou mais prejudicial que a violência física e é considerada a mais silenciosa de todas as formas de violência. É por ser subtil, que muitas vezes é dificilmente identificada, e em alguns casos, nem a própria pessoa que é violentada tem a real noção de que está a ser alvo deste tipo de agressão.

Frequentemente o “plano” usado pelo agressor passa pela mobilização emocional e psicológica da pessoa vitimizada para satisfazer todas as suas necessidades de atenção, de carinho e de importância. Disfarçadamente o agressor tenta inferiorizar a pessoa, tornando-a dependente e aumentando os seus sentimentos de culpa.

Os efeitos da violência psicológica são vastos e podem permanecer durante muito tempo silenciosos, deixando “cicatrizes” emocionais para o resto da vida!

Se está perante um relacionamento abusivo, em que sente constantemente um sentimento de culpa, de incapacidade e inutilidade, ajude-se a si mesmo (a). Pare de permitir que os comportamentos destrutivos da sua relação lhe retirem qualidade de vida! Contacte-nos para que possamos ajudar a enfrentar a situação e a recomeçar uma nova etapa da sua vida. A consulta informativa é gratuita e pode ser o 1º passo para se libertar e começar a viver a sua vida! As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Leia também:

O que precisa de saber sobre pesadelos (e como acabar com eles)

Os pesadelos são sonhos angustiantes, caracterizados pelo forte conteúdo emocional e sensação de ameaça à sobrevivência ou à segurança, que acontecem no sono profundo (sono REM), e originam um despertar abrupto e agitado.

Os pesadelos podem surgir devido ao consumo de medicamentos ou outras substâncias, porém, em geral, os pesadelos ocorrem quando experienciamos grandes níveis de ansiedade psicológica, sendo a sua principal causa psicoafectiva. Quanto maior a frequência dos pesadelos, maior a tendência para ter dificuldades em adormecer, menor a duração e maior a fragmentação do sono devido ao despertar noturno repentino.

Após o despertar noturno, normalmente experienciamos uma emoção de alívio quando percebemos que o que estava a ocorrer não era real. Mas por vezes, mantemos na memória pensamentos acerca do pesadelo, e ao longo do dia perduram emoções com uma carga emocional muito intensa – elevados níveis de angústia e ansiedade, devido às inquietações suscitadas pelos pesadelos.

Também pode acontecer que, com receio destes pesadelos, evitemos adormecer, o que provocará sonolência excessiva de dia, falta de concentração, maior ansiedade ou irritabilidade, o que pode culminar em quadros de depressão, ataques de pânico e até dor crónica.

Se está, ou conhece alguém que esteja a passar por uma situação de pesadelos recorrentes, que o impede de descansar e que prejudica a sua saúde física, mental e emocional, saiba como transformar os pesadelos em sonhos lúcidos! Conheça o nosso programa de intervenção para perturbações do sono.

Contacte-nos para obter uma consulta informativa gratuita.
As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

5 perguntas sobre a Fibromialgia – das causas ao tratamento

1 – O que é a Fibromialgia?
A fibromialgia é uma dor crónica que se localiza em várias partes do corpo. Geralmente, afeta músculos, tendões e ligamentos causando uma dor intensa, prejudicando a qualidade de vida e o bem-estar do paciente.

2 – Quais as principais causas para a Fibromialgia?
A principal causa da fibromialgia ainda não é conhecida, todavia considera-se que terá origem em fatores físicos e emocionais, podendo surgir devido a uma suscetibilidade genética, a traumas físicos e/ou a traumas psicológicos.

3 – Quais os principais sintomas da Fibromialgia?

  • Dor crónica generalizada – dor muscular constante localizada em vários locais específicos do corpo, como o pescoço ou a região lombar e que dura pelo menos 3 meses.
  • Ansiedade – estes sintomas podem prejudicar muito a qualidade de vida dos pacientes.
  • Alterações de Concentração e Memória – podem ter implicações nas atividade do dia-a-dia, causando muitas vezes dor de cabeça.
  • Insónias – bem como outros distúrbios do sono, como um sono perturbado, por acordar várias vezes ao longo da noite devido da dor intensa.
  • Fadiga – cansaço, mesmo após várias horas de sono
  • Depressão – sintomas depressivos, choro fácil, diminuição do prazer em realizar as atividades diárias.

4 – Como se expressa a ansiedade e depressão na Fibromialgia?
Estes sintomas quando associados à elevada severidade da dor, podem gerar pensamentos automáticos negativos, falta de otimismo e descrença em relação ao processo de recuperação, medo constante e focalização mental da dor, levando assim ao acentuar de sintomas de ansiedade e depressão.
As pessoas que sofrem de fibromialgia, por vezes optam pelo isolamento, evitam atividades sociais, que lhes poderiam proporcionar prazer em situações normais, devido à intolerância à dor que sentem. Adquirem ainda uma perceção acerca do seu estado de saúde como frágil e imprevisível, levando a um aumento de sentimentos como insegurança, frustração, inutilidade e baixa autoestima.

5 – Como tratar a Fibromialgia?
A PSIC recomenda um programa terapêutico adaptado à sua situação, para ajudar a gerir e aliviar os sintomas da doença, contribuindo para o seu bem-estar e aumento da qualidade de vida. Consulte aqui um testemunho de um paciente de fibromialgia e saiba como podemos ajudar  ou contacte-nos para uma consulta informativa gratuita. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Quer saber mais sobre fibromialgia? Leia também: