Atravessando o Rio

Em Abril, deixamos-lhe o conto “Atravessando o Rio”. A mensagem implícita passa pela constante preocupação que o ser humano tem sobre “o que os outros irão pensar”. Por vezes, esta preocupação leva-nos a agir incorretamente, e isso incomoda-nos. De tal forma, que carregamos aquele assunto/atitude permanentemente na nossa cabeça. Faz-nos sentir culpados ou com medo. Assim, “Atravessando o Rio”, mostra-nos que a melhor forma de agir, é sem julgamentos e da forma mais verdadeira para si.

Atravessando o Rio

Dois monges viajavam juntos por um caminho cheio de lama. Chovia torrencialmente o que dificultava a caminhada. A certa altura tinham que atravessar um rio, cuja água lhes dava pela cintura. Na margem encontrava-se uma rapariga que parecia não saber o que fazer:
– Quero atravessar para o outro lado da margem, mas tenho medo! – disse a rapariga.
Então o monge mais velho carregou a rapariga às suas cavalitas para a outra margem. Horas depois, o monge mais novo não se conteve e perguntou:
– Nós, monges, não nos devemos aproximar das mulheres, especialmente se forem jovens e atraentes. É perigoso. Por que fez aquilo?
O monge mais velho respondeu:
– Eu deixei a rapariga lá. Tu ainda a estás a carregar!

(Adaptado dos contos Budistas recontados por
Sherab Chödzin e Alexandra Kohn
– trad. Monica Stahel –
Martins Fontes, São Paulo, 2003).

9 efeitos da privação de sono que podem arrasar a sua vida

9 efeitos da privação de sono que podem arrasar a sua vida

A privação do sono consiste numa omissão total ou parcial do sono, normalmente relacionada com alterações nas funções metabólicas, físicas e cognitivas e nas modificações dos padrões de sono, que tendem a comprometer a saúde física e mental bem como a qualidade de vida das pessoas.

Problemas cardíacos, obesidade ou diabetes são algumas das doenças físicas ligadas à ausência de descanso.

A insónia é um problema cada vez mais atual que, além de influenciar o bem-estar emocional, pode prejudicar significativamente a saúde. Os sintomas relacionados com a privação do sono são muito frequentes nas crianças e nos adultos e podem aos poucos arrasar a sua vida:

Sintomas Diurnos

  Alterações de humor
  Queda da produtividade
  Dificuldade de concentração e memória
  Diminuição da atenção na condução de veículos pode potenciar acidentes rodoviários
  Sonolência excessiva diurna

Sintomas Noturnos

  Ressonar
  Disfunção erétil
  Sonambulismo
  Incapacidade de dormir no momento desejado

A PSIC pode ajudar a vencer esta dificuldade e a trazer-lhe tranquilidade para o seu descanso, através de intervenções específicas de hipnoterapia, terapias psicossensoriais e biofeedback.

Se está cansado de não conseguir ter uma noite tranquila e sente-se desgastado física e psicologicamente, contacte-nos para uma consulta informativa gratuita.

Jatir Schmitt- Psicóloga Clínica

 

Deixe de ser sapo fervido…

“ Vários estudos científicos comprovam que um sapo colocado num recipiente, com água da sua lagoa, fica estático durante todo o tempo. A água vai aquecendo e chega mesmo até a ferver. O sapo não reage ao gradual aumento da temperatura (mudanças do ambiente) e acaba por morrer quando a água ferve. lnchadinho e feliz! Por outro lado, um sapo que seja colocado neste recipiente já com a água a ferver salta imediatamente para fora. Meio “cozido”, porém vivo!
No nosso dia-a-dia, no trabalho, na família, na sociedade presenciamos comportamentos similares ao do sapo fervido. Muitos de nós não percebem as mudanças, acham que está tudo bem, que vai passar, que é só dar algum tempo!
Assim, acabam por “morrer” inchadinhos e felizes, sem terem percebido ou avaliado o resultado das suas ações (ou falta de). Outros, ao serem confrontados com novos problemas/desafios/questões, saltam, ou seja fazem o trabalho que é necessário para lidar da melhor forma com o sucedido.
Existem vários sapos fervidos por aí, prestes a morrer, porém vão boiando estáveis e impávidos na água que aquece a cada minuto. Sapos fervidos, que não percebem que o conceito de mudança significa cuidar de uma forma eficiente do lugar que ocupam, no mundo e em si próprios. Não há futuro se não administramos o presente. Desta forma, os sapos fervidos não percebem, que na vida, além de serem eficientes (fazer bem as coisas), precisam de ser eficazes (fazer com que as coisas certas sejam feitas).
Precisamos de estar atentos para não sermos sapos fervidos. Saltemos fora, antes que a água ferva. O mundo precisa de nós, meios chamuscados, mas vivos, abertos para a mudança e prontos para agir.”
Autor Desconhecido

Na PSIC podemos ajudá-lo nesta mudança, deixe de ser sapo fervido! Saiba que através de intervenções específicas de hipnoterapia, terapias psicossensoriais e biofeedback a PSIC, poderá facilitar todo o seu processo de mudança para uma vida mais ativa e positiva. Contacte-nos para uma consulta informativa gratuita.

Jatir Schmitt- Psicóloga Clínica