Doença obsessivo-compulsiva e o secretismo que a silencia

«A perturbação obsessivo-compulsiva é tão frequente como a asma ou a diabetes, sendo mesmo mais prevalente que a esquizofrenia, mas a autocrítica dos doentes faz com que haja um secretismo que a silencia» – de acordo com os dados divulgados pela TVI24 num artigo recente.

Apesar de frequente, quem sofre com esta doença tem dificuldade em falar sobre os seus problemas e em solicitar ajuda, em parte porque eles próprios têm vergonha dos seus sintomas, acham-nos desapropriados e temem que os outros os considerem loucos.

Esta doença pode manifestar-se através de pensamentos intrusivos, recorrentes e indesejados (obsessões) e/ou rituais repetitivos desenvolvidos com o intuito de aliviar a ansiedade e prevenir que algo de mal aconteça (compulsões). É uma doença muito invalidante, que interfere significativamente no dia-a-dia destas pessoas e de quem as rodeia.

Se conhece alguém que sofre com esta doença, incentive o diálogo e a procura de ajuda. O silêncio é um caminho que não consegue dar a saída para esta dor.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em  psic.com.pt/prosocial

Equipa PSIC

Como reagir ao luto?

Não existe uma expressão universal do luto. Cada pessoa responde à perda de uma forma singular, em função das suas caraterísticas pessoais e do ambiente onde está inserida. É importante que experiencie o luto nos moldes que, para si, fizerem sentido.

 

Deixamos-lhe alguns conselhos que podem ajudar:

  • Aceite os seus sentimentos e respeite o seu momento de dor que, gradualmente, vai cicatrizando;
  • Foque-se nas boas recordações, que lhe trazem serenidade e o ajudam a seguir em frente;
  • Lembre-se de cuidar de si. Pode ser difícil pensar em si neste momento de dor, mas é importante que mantenha uma alimentação equilibrada, faça a sua higiene, dedique tempo a algum passatempo… Cuidar de si não vai eliminar a dor que sente, mas dá-lhe mais forças para continuar;
  • Peça ajuda sempre que precisar. Não se isole, as pessoas que o rodeiam podem ajudar a distrair-se e a ultrapassar este momento;
  • Retome o seu dia-a-dia: gradualmente envolva-se nas suas tarefas, responsabilidades e atividades que antes lhe davam prazer.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em  psic.com.pt/prosocial

Equipa PSIC

Quando o medo de enfrentar as situações controla a nossa vida

Quando nos confrontamos com uma situação que nos parece ser ameaçadora, perigosa ou simplesmente desconfortável é comum optarmos por fugir ou escapar dessa situação. A fuga é um dos mecanismos básicos da nossa existência. Há milhões de anos atrás aprendemos a lutar ou fugir para nos protegermos de predadores maiores. Atualmente, estas respostas nem sempre são adaptativas.

Evitamos ir a alguns locais, falar sobre alguns assuntos, não sentir emoções dolorosas… evitamos qualquer situação ou estímulo que nos faça sofrer. Ao evitarmos, momentaneamente, o nosso medo e desconforto diminuem. Contudo, será que resolvemos o problema? Na realidade não só não o resolvemos, como “alimentamos” o nosso medo. Ao fugirmos, não temos possibilidade de verificar se os nossos medos tinham fundamento, os nossos pensamentos negativos acerca da situação vão permanecer, deixámos de aproveitar vários momentos agradáveis da nossa vida e temos cada vez menos confiança em nós próprios.

Sempre que evitamos vamos ficando mais prisioneiros do medo, por isso, antes de fugir, pare para pensar… o quê que perde em experimentar?

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em  psic.com.pt/prosocial

 

Equipa PSIC