Eles fumam, nós fumamos

O fumo passivo corresponde ao fumo produzido pelo cigarro aceso, bem como o fumo exalado pelo fumador.

O não fumador exposto ao fumo passivo, mesmo que por curtos períodos de tempo, pode apresentar: irritação dos olhos, dor de cabeça, tosse, dor de garganta ou enjoo.

Contudo, os malefícios desta exposição podem ser bem mais graves: cancro de pulmão, doenças cardíacas, infeções respiratórias, agravamento de alergias e aumento do risco de complicações ao longo da gravidez.

Se é fumador, já parou para pensar que pode estar a prejudicar a saúde de quem mais gosta? Nunca é tarde para deixar de fumar, saiba como podemos ajudá-lo em: http://www.psic.com.pt/intervecao-tabagismo/.

 

Roer as unhas – um sinal de ansiedade?

 

Afinal porque roemos as unhas? Muitas vezes não nos apercebermos do motivo pelo qual o fazemos.

No artigo “Pare de roer as unhas, pela sua saúde” publicado na http://www.noticiasmagazine.pt, Sara Dias Oliveira refere-se a este vício como «..um tique difícil de dominar. Fazemo-lo para controlar a ansiedade, diminuir o stress, acalmar o nervosismo, fintar o tédio ou até mesmo para enganar a fome.»

De facto, o controlo da ansiedade está associado a este comportamento, que se vai transformando num vício difícil de dominar.

Existem algumas formas de terminar com o vício de roer as unhas:

– Extinguir o hábito recorrendo a alguns truques, ou

– Identificar a origem da ansiedade, os “gatilhos” que a desencadeiam e estratégias para a controlar, através da ajuda profissional.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Saiba como em psic.com.pt/prosocial.

psic-equipa-jatirschmitt

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica

TESTE – É viciado no trabalho?

 

As pessoas viciadas no trabalho, habitualmente designadas de workaholics, são motivadas pelas conquistas profissionais e dedicam todo o seu tempo ao trabalho. Responda a estas perguntas e verifique se este é o seu caso:

  • Dá prioridade máxima ao seu trabalho?
  • Leva trabalho para casa?
  • Irrita-se facilmente perante contratempos?
  • Não faz pausas para refeições?
  • Tem insónias?
  • Está sempre disponível (atende chamadas, verifica emails e envia mensagens a qualquer hora e local)?
  • Não tira férias ou tira poucos dias de férias?
  • Deseja ser o melhor em tudo o que faz?

 

Se respondeu que sim a maioria destas questões, pode ser considerada uma pessoa viciada no trabalho ou workaholic.

 

Apesar dos workaholics conseguirem normalmente alcançar a tão desejada realização profissional, habitualmente, a longo prazo a sua qualidade de vida é comprometida. Os problemas de saúde começam a surgir e os conflitos familiares tornam-se constantes.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Saiba como em psic.com.pt/prosocial.

psic-equipa-jatirschmitt

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica