Como ajudar alguém com Depressão

Algum dos seus familiares e amigos sofre de Depressão? Gostaria de ajudar, mas não sabe como?
O seu apoio, compreensão, respeito e incentivo é crucial na recuperação dessa pessoa. Ultrapassar a Depressão é sempre mais fácil quando não se está sozinho. Por isso, transmita ao seu amigo ou familiar que é importante procurar ajuda, aceitar ser ajudado e manter a esperança que tudo irá mudar.
Sugerimos que dedique uns minutos a este vídeo sobre o “Cão Negro da Depressão” com dicas úteis sobre a melhor forma de ajudar, bem como o que dizer a essa mesma pessoa.
A PSIC, através de intervenções específicas de hipnoterapia, terapias psicossensoriais e biofeedback, pode facilitar este alcance ao equilíbrio emocional, bem-estar e uma vida mais feliz. Para mais informações, contacte-nos.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Jatir Schmitt- Psicóloga Clínica

Como o movimento terapêutico estimula as crianças

O movimento faz parte da nossa conceção enquanto humanos. As crianças quando se movem expressam as suas emoções, ações, pensamentos. Criam ligações neuronais importantes ao nível cognitivo e de socialização. O movimento é uma linguagem que permite à criança se desprender de qualquer tipo de censura, deixando a sua criatividade e espontaneidade atuar.

O movimento da dança terapêutica na infância dá-se como uma brincadeira, é onde a criança pode comunicar, utilizando o corpo na sua totalidade. Durante a atividade é utilizada musica, para aprimorar as brincadeiras através do movimento. Articula-se a respiração, os alongamentos e o contacto com o espaço físico, através do lúdico. Assim, a criança adquire consciência de si, do outro e do meio social.

Aqui ficam 8 benefícios do movimento terapêutico:
1. Concentração
2. Coordenação motora
3. Habilidade comunicacional
4. Autoconfiança
5. Reconhecimento corporal
6. Integração social
7. Criatividade
8. Bem-estar

“O corpo é o instrumento mais importante que o ser humano disponibiliza para trabalhar, se transformar. A pessoa, quando dança, utiliza o corpo experimentando diversas sensações, descobrindo inúmeras possibilidades de se movimentar, de se conectar consigo mesmo, descobrindo formas de se sentir bem com seu próprio corpo”
(Garaudy, 1980)

Saiba mais sobre a dançaterapia aqui.

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Ana Macedo – Psicóloga Clínica

Testemunho: EFT – Displasia Rotuliana e o medo de andar de bicicleta

Sou Psicóloga Clínica e Hipnoterapeuta. Em 2002 descobri o EFT (Emotional Freedom Tecniques®) e foi em Portugal que fiz o nível 1 e 2 (antes do EFT Oficial). Como sempre preferi a prática ensinada pelo Gary Craig, desde 2010 estudo o EFT Oficial. Tenho estudado e aperfeiçoado o EFT clínico – Gold Standart EFT-Tapping, o Optimal, que utilizo ora isoladamente, ora de forma integrada nas sessões de hipnoterapia ou de psicoterapia. A seguir apresento um caso que trabalhei exclusivamente com EFT Clínico e que acompanhei a evolução dos resultados a longo prazo.
A A.M. vinha com um diagnóstico de restrição física devido a um problema congénito na coluna, contendo uma vértebra sacral a mais, somado a um problema no joelho. As orientações médicas foram de restrição em relação ao levantamento de pesos e uma atenção constante à postura corporal. Também alertou para possíveis dores durante a gravidez e parto. Deixo aqui o seu testemunho.

“Quando iniciei o EFT, foi por causa de uma queda de bicicleta, quando tinha 28 anos. Bati com a cabeça e magoei o joelho direito. Andava a treinar para ir a Santiago de Compostela e achei que não iria ser capaz. Ao iniciar o trabalho com esse medo de cair, surgiu o medo de ficar em cadeira de rodas. Após limpar esta situação, veio o medo de me magoar no joelho esquerdo, ao ponto de ficar sem andar (foi-me diagnosticada uma Displasia Rotuliana, nesse mesmo joelho, em que o médico me disse que tinha que andar com uma joalheira quando fizesse desporto mais intensivo). Em seguida, veio a questão de a minha bicicleta estar a vir da Madeira, pois estava a mudar a minha vida toda para o Porto. Senti que iria sair do meu porto seguro e senti medo que as coisas não resultassem, que o casamento não desse certo. Limpei essa questão, entretanto surge o medo de encarar a vida tal como ela é e de ir para a vida por assim dizer. Limpei todos estes factos, senti-me muito bem, confiante e feliz, o próximo passo era a viagem de Santiago.
Após as sessões, foi sugerido que realizasse o EFT pelo caminho de Santiago de Compostela e assim o fiz, para as dores físicas/cansaço e aspetos negativos que surgissem. Fiz 3 rodadas em cada dia (foram 3 dias para chegar a Santiago). Senti-me muito bem a fazer o caminho, não tive medo nenhum, não tive dores nas articulações, fui sem a joalheira. Senti-me feliz e o que era apenas um passeio de lazer, para mim tornou-se algo mais profundo, consegui controlar a mente e o corpo e consegui concretizar os meus objetivos.
A partir de Santiago, a minha vida transformou-se, o EFT tornou-se uma prática constante sempre que necessário, especialmente na questão da ansiedade. Durante os últimos 4 anos casei e tenho um filho de 13 meses, a gravidez foi feliz e esqueci-me dos prognósticos dados pelo médico pela ausência dos sintomas. Tornei-me proactiva e comecei a realizar meus sonhos e vi que nada é impossível.” A.M.

Saiba mais sobre EFT – Emotional Freedom Tecniques® aqui.

Jatir Schmitt- Psicóloga Clínica