Criança


Atenção com a Saúde  Emocional  da Criança

Durante a infância podem surgir variadíssimas situações ligadas ao foro psicológico. Cabe à família, dar a atenção devida às diferenças comportamentais manifestadas pela criança, seja em casa ou na escola, e procurar a ajuda de um profissional.

 Intervenções Clínicas

• enurese   • encoprese   • ansiedade   • medo   • fobia • agressividade  • problema de comportamento • depressão infantil   • perturbação emocional  • pesadelos e terrores nocturnos  • problemas com sono e a alimentação  • bullying  • problema de integração  • insucesso escolar e/ou dificuldades de aprendizagem

  • Depressão Infantil
  • Enurese e Encoprese
  • Ansiedades
  • Problemas na Escola

A Depressão Infantil é uma perturbação afectiva ou perturbação do humor que vai além da tristeza temporária. Caracteriza-se por vários sintomas:

  • Isolamento, sentimento de falta de amizade, sentimento de abandono
  • Dificuldades para se divertir ou concentrar
  • Fadiga
  • Actividade ou apatia extrema
  • Choro
  • Problemas de sono
  • Sentimentos de Inutilidade
  • Alterações do peso ou do apetite
  • Queixas físicas e ideias frequentes sobre morte ou suicídio

Caso os sintomas persistam deve-se dar apoio psicológico à criança, não só para alívio dos sintomas, mas como forma de prevenção de perturbações no futuro.

O controle esfincteriano desenvolve-se gradualmente, sendo o seu treinamento afectado por vários fatores, incluindo duas perturbações das excreção e/ou eliminação, a encoprese e a enurese.

  • Encoprese

A encoprese surge quando há evacuação intestinal parcial ou total na roupa. Acontece depois da idade normal de controle, acima de 4 anos, e não é devida a nenhum tipo de problema orgânico ou medicamentoso. Geralmente ocorre em locais inadequados.

Primeiro surge a chamada constipação/obstipação ou intestino preso, e de seguida a impactação e retenção de fezes. Em crianças escolares e pré-escolares a primeira obstipação  pode- se desenvolver por razões psicológicas, como por exemplo: a ansiedade ou comportamento de oposição, dependência, dificuldades no controle da agressão.

É importante lembrar que o vazamento de fezes ocorre de forma involuntária.

Qual a consequência da encoprese nas crianças?

Algumas crianças sentem-se envergonhadas perante os outros, havendo como consequência o isolamento, a irritação e a baixa auto estima. A intervenção psicológica é necessária, pois toda a situação causa problemas emocionais e comportamentais.

A enurese e encoprese são situações involuntárias. É de extrema importância realizar-se uma despistagem, e verificar-se qual o fator que está na sua origem.

  • Enurese

A enurese é a eliminação involuntária de urina pela criança em idade na qual o controle vesical já deveria estar presente.

Após os três anos de idade a maioria das crianças com desenvolvimento neuro psicomotor adequado deve apresentar controle vesical diurno. O controle nocturno estabelece-se antes dos seis anos. Há dois tipos de enurese: primária e secundária.

A enurese é primária quando a criança sempre teve enurese, ou seja, nunca teve um período de continência nocturna. Este tipo de enurese representa a maioria dos casos e considera-se que a origem esteja num atraso da maturação neurológica.

A enurese secundária existe quando a criança apresenta episódios de enurese após uma fase de controlo miccional pelo menos durante seis meses.

Há diferentes factores que podem estar na origem da enurese.

Alteração da estabilidade vesical

A instabilidade vesical é causada pelo atraso da maturação neurológica, responsável pelo controle vésico-esfincteriano, estando associada a outros distúrbios tais como atraso na fala, no andar ou no controle esfincteriano anal.

Incapacidade da Criança em não acordar em resposta ao estímulo da bexiga cheia

A enurese ocorre pelo facto da criança não ser capaz de inibir as contracções vesicais durante o sono ou não conseguir acordar para esvaziar a bexiga. A dificuldade em acordar é mais acentuada durante o primeiro terço do período nocturno,

Factores hereditários

Se ambos os pais tiveram enurese, a probabilidade da criança apresentar enurese é de 77%, caindo para 44% se apenas um dos pais foi enurético e 15% se nenhum dos pais teve enurese.

Fatores Psicológicos

A enurese pode ser causa de uma desordem comportamental. Ocorre um aumento da prevalência de enurese noturna e diurna em crianças com síndrome de hiperactividade e déficit de atenção. Já a enurese noturna secundária está associada a um maior número de eventos causadores de tensão psicológica, como: separação dos pais, nascimento de irmãos, distúrbios psiquiátricos em um dos pais.

Inúmeros estudos revelam que crianças com enurese secundária têm maiores dificuldades emocionais e problemas comportamentais do que crianças com enurese primária.

O facto da criança ter receio de dormir na casa de amigos ou de participar em viagens escolares e molhar a cama nestas ocasiões, pode contribuir para uma queda na auto-estima e na autonomia.

A enurese é, talvez, um dos principais sintomas utilizados pela criança para reclamar a atenção e mostrar a necessidade de ajuda, reflectindo de forma inconsciente, normalmente, conflitos internos, angústia e depressão.

Fatores Orgânicos

Apenas 1% a 4% dos casos podem estar associados a alterações do trato urinário, como: infecção urinária, disfunção miccional e anomalias obstrutivas do colo vesical e uretra. Há alterações neurológicas que também podem estar associadas, como: os disrafismos, a bexiga neurogênica e a epilepsia. A apnéia do sono, anemia falciforme, diabetes insipidus e obstipação intestinal também podem originar enurese.

A ansiedade é uma resposta adaptativa perante qualquer tipo de ameaça. A ansiedade torna-se num medo, quando se limita a estímulos específicos. Ao longo do desenvolvimento da criança é natural a existência de medos transitórios. Há uma tendência para a diminuição dos medos da infância para a adolescência. Os medos mais frequentes são:

  • Estímulos intensos e desconhecidos / pessoas estranhas (0-1 anos)
  • Animais e tempestades (2-4 anos)
  • Escuro/ Monstros e fantasmas /separação dos pais (4-6 anos)
  • Dano corporal/Ridículo (9-12 anos)
  • Relações interpessoais (12-18 anos)

O medo pode surgir em períodos de stress e de alterações nas rotinas diárias:

  • Vinda de um novo irmão
  • Mudança de casa
  • Divórcio ou separação dos pais
  • Entrada numa nova escola
  • Conflitos com colegas

Quando é que os medos se convertem em fobias?

A fobia é um medo excessivo e irracional, desencadeado pela exposição ou antecipação de determinada situação. Caracteriza-se por comportamentos de evitamento. As fobias infantis, normalmente têm o seu inicio entre os 4 e 8 anos de idade.

As fobias apresentam as seguintes características:

  • Estão fora do controlo voluntário e da racionalidade
  • Podem relacionar-se com estímulos não perigosos
  • Interferem significativamente com o dia a dia

Existe uma variedade de fobias específicas: fobia ao escuro, fobia aos animais, fobia ao dentista, fobia à escola, etc.

 

2011 - 2013 © Copyright Psic - Powered by H2.3 Web Marketing