Stress e trabalho: Síndrome de Burnout

trabalho

Quando o trabalho é prazer, a vida é uma grande alegria. Quando o trabalho é dever, a vida é uma escravidão.

– Máximo Gorki

 

 

Acorda todos os dias com boa disposição para ir para o trabalho? Ou, pelo contrário, sente que é mais um sacrifício que tem de fazer e um dever a cumprir? Gosta do que faz? E do ambiente no local de trabalho?

 

O trabalho além de constituir uma fonte de rendimento, é importante para a autoestima e é um meio através do qual é estabelecida a maior parte dos contatos sociais.

Por outro lado, pode ser uma fonte de stresse, devido à precariedade de alguns empregos, à necessidade de ganhar dinheiro mas não gostar do que faz, ao excesso de horas de trabalho, aos conflitos interpessoais como má comunicação com colegas e chefias, devido a práticas da empresa que podem ir contra os seus princípios, entre outras. Estes fatores podem ter um impacto negativo no ambiente familiar e social, saúde física e mental do trabalhador, bem como no próprio funcionamento do local de trabalho e produção da empresa. Se a pessoa percebe uma falta de controlo sobre o grau de exigência das tarefas que tem de desempenhar, maior será o stress que sente.

A crise financeira, a intensificação dos ritmos de trabalho e a era da informação que caracteriza a nossa sociedade levando as pessoas a estarem ligadas 24h por dia, comprometem a saúde, o bem-estar e a produtividade. O stresse laboral afeta um quarto da população ativa e é responsável por mais de metade dos dias perdidos por faltas. O excesso de trabalho mata, ou pode ir matando lentamente.

Todos nós já sentimos alguns níveis de stresse em períodos mais difíceis no trabalho, mas que não se prolongaram no tempo nem nos levaram à exaustão. No entanto, existem pessoas que atravessam esta realidade diariamente, falamos de Burnout.

O Burnout é um estado de exaustão física, emocional e mental provocado pelo envolvimento, a longo prazo, em situações emocionalmente desgastantes relacionadas com o trabalho. Pessoas com expetativas, motivação e investimento pessoal elevados e idealização acerca da sua profissão e contexto de trabalho, estão mais predispostas a experienciar um estado de elevada tensão emocional e/ou física. Isto pode acontecer devido a não se sentirem apreciadas e valorizadas nas suas funções, desenvolvendo um sentimento de fracasso em relação aos objetivos que idealizaram.

Este estado de exaustão pode manifestar-se de diferentes formas:

  • Estado crónico de fadiga;
  • Esgotamento;
  • Cefaleias;
  • Alterações no sono e peso;
  • Dores musculares;
  • Distúrbios gastrointestinais;
  • Aumento do consumo de tabaco e café;
  • Consumo de bebidas alcoólicas ou tranquilizantes para combater o estado em que se sente;
  • Agravamento de doenças crónicas já existentes;
  • Isolamento;
  • Mudanças de humor bruscas;
  • Dificuldade de concentração;
  • Lapsos de memória;
  • Ansiedade e depressão;
  • Baixa autoestima;
  • Sentimentos de fracasso.

Devido a estas manifestações, a pessoa tem tendência a isolar-se mais no meio de trabalho, podendo criar-se um ambiente de hostilidade, de desconfiança e de desrespeito entre colegas e superiores, gerando um ciclo que agrava ainda mais o estado de exaustão.

Se se identifica com as manifestações da síndrome de Burnout, pode modificar o seu estilo de vida, começando por fazer uma boa gestão do seu tempo. Pode consegui-lo dividindo o seu tempo em três partes: o horário de trabalho e tarefas associadas, a sua vida pessoal, introduzindo momentos de descontração e lazer, prática de exercício físico, convívio com a família e amigos, e as horas de descanso. Assim, evita que o foco da sua vida seja apenas o trabalho e as dificuldades que enfrenta nessa área. Uma forma de olhar para o período difícil que atravessa é encarar a crise como uma fonte de crescimento pessoal. Avalie o que constitui o problema e quais os recursos que tem para lidar com ele. Procure ajuda para desenvolver aptidões pessoais que lhe permitam lidar com a situação e, se possível, modificar as condições de trabalho ou alterar o rumo da sua vida profissional. Gostar do que fazemos contribui muito para a nossa motivação no trabalho. É importante que a profissão que escolhemos tenha um significado pessoal e contribua para o sentimento de que estamos a cumprir a nossa missão de vida.

 

Partilhar
Comments ( 0 )

    Deixe o seu comentário

    Seu endereço de email não será publicado . Campos obrigatórios são marcados *