É possível aprender a estar deprimido?

Ao longo da vida vão surgindo momentos que nos fazem sentir raiva, culpa, frustração, mágoa e revolta. No entanto, muitas vezes escondemos estas emoções. Este facto vai-nos entristecendo pouco a pouco, desapegamo-nos da nossa essência, e vamo-nos recolhendo no nosso mundo até que toda esta repressão de emoções se transforma em sintomas. Este padrão de comportamento gera em nós uma aprendizagem de um estado depressivo, que se vai consolidando até ao momento em que deixamos de suportar a dor e o nosso sistema sucumbe.

 

É neste momento que um psicólogo clínico devidamente qualificado consegue ajudar. Com o apoio profissional, nomeadamente, através da hipnoterapia, é possível extinguir esta aprendizagem a um ritmo que seja apropriado para si.

 

A seguir apresento-vos o testemunho da Cristina que, através de um acompanhamento psicológico intensivo e de hipnose na nossa Clínica, conseguiu extinguir esta aprendizagem há tanto tempo enraizada.

 

A Cristina foi uma criança e uma jovem alegre, feliz, livre e espontânea, voltada para as artes e para a criatividade. Mas à medida que convivia com pessoas tristes e fechadas, a Cristina abriu mão da sua essência e trocou a sua alegria de viver pela tristeza presente no seu ambiente.

 

Era uma vida cheia de tarefas, obrigações, responsabilidades e tudo em função do “outro”… mal tinha tempo para dormir ou comer! Quando me deparo com uma mudança extrema, fico desempregada, o “outro” já não existe e apenas tenho que cuidar de mim, já não sei como fazer. De uma vida de caos é agora uma vida vazia. A depressão aparece mais forte e instala-se nesse vazio. O meu nome é Cristina e tenho 37 anos. A terapia foi essencial para sair da sombra e aparecer para a vida! Foi uma terapia adequada ao meu problema e ajustada aos meus progressos. Tenho agora um caminho e tenho a energia necessária para o percorrer. Agradeço todo o carinho e em especial ao empenho da Doutora Jatir em me ajudar. Bem haja!”.

 

Se gostaria de saber mais sobre o tema da Hipnose, clique aqui.

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica e Hipnoterapeuta

 

Partilhar

O stress adoece o corpo?

O stress excessivo pode prejudicar o nosso corpo e afetar a nossa saúde de diferentes formas e em várias áreas. Na imagem abaixo pode compreender melhor as suas possíveis implicações.

stress infográfico

O stress adoece o corpo?

 

 

Aprender a gerir e modular as emoções é um caminho para reduzir e eliminar o stress e todas as suas consequências. Se quiser saber mais estratégias, veja a Receita Anti-Stress ou consulte a nossa metodologia em https://www.psic.com.pt/stress/.

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica e Hipnoterapeuta

psic-equipa-jatirschmitt

 

Partilhar

Como reagir ao luto?

Não existe uma expressão universal do luto. Cada pessoa responde à perda de uma forma singular, em função das suas caraterísticas pessoais e do ambiente onde está inserida. É importante que experiencie o luto nos moldes que, para si, fizerem sentido.

 

Deixamos-lhe alguns conselhos que podem ajudar:

  • Aceite os seus sentimentos e respeite o seu momento de dor que, gradualmente, vai cicatrizando;
  • Foque-se nas boas recordações, que lhe trazem serenidade e o ajudam a seguir em frente;
  • Lembre-se de cuidar de si. Pode ser difícil pensar em si neste momento de dor, mas é importante que mantenha uma alimentação equilibrada, faça a sua higiene, dedique tempo a algum passatempo… Cuidar de si não vai eliminar a dor que sente, mas dá-lhe mais forças para continuar;
  • Peça ajuda sempre que precisar. Não se isole, as pessoas que o rodeiam podem ajudar a distrair-se e a ultrapassar este momento;
  • Retome o seu dia-a-dia: gradualmente envolva-se nas suas tarefas, responsabilidades e atividades que antes lhe davam prazer.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em  psic.com.pt/prosocial

Equipa PSIC

Partilhar

Vivenciar a perda

Muitas vezes, o luto é encarado como a perda de alguém que amamos devido à sua morte. Contudo, o luto pode estender-se a outras perdas:

  • Divórcio
  • Afastamento de amigos ou familiares
  • Animais de estimação
  • Bens materiais
  • Emprego

O sofrimento e a dor são respostas instintivas à perda que devem ser vivenciadas respeitando o ritmo de cada um. Este processo é muito particular, dependendo de cada pessoa e tipo de perda.

Cada um precisa de um tempo próprio para se ajustar a esta nova realidade e refazer a representação que alguém ou algo tinham e têm na sua vida. Este tempo não implica um esquecimento, mas sim a construção de uma nova relação com a memória dessa pessoa, situação ou objeto.

É legítimo que se sinta triste, com raiva, angustiado, culpado, frustrado, que chore e tenha vontade de desistir. Permita-se vivenciar este sofrimento que é necessário para se libertar e continuar a viver.

 

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Saiba como em psic.com.pt/prosocial

psic-equipa-jatirschmitt

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica

 

Partilhar

Frieiras – o lado psicológico

Sabia que existem vários problemas físicos que podem estar relacionados com a saúde mental?

Problemas físicos como sintomas de problemas psicológicos

Relatamos, neste artigo, um caso real de uma paciente da Clínica PSIC – Psicologia Integrada.

Maria tem 34 anos e trabalha na área da saúde. Procurou a PSIC – Psicologia Integrada para resolver sintomas depressivos, que surgiram após algumas mudanças na sua vida: a rutura de um relacionamento de 3 anos e a mudança de local de trabalho e das funções desempenhadas. Queixava-se de ansiedade e tristeza, sentia-se insegura e sozinha. Apresentava também problemas de frieiras nas mãos e pés, que se agravavam em alturas em que sentia mais ansiedade e preocupação.

Após as primeiras semanas de intervenção, começou a sentir-se mais fortalecida para lidar com as situações do dia-a-dia, sentia-se mais alegre e menos ansiosa no trabalho. Além disso, reparou que os sintomas de frieiras estavam a diminuir.

Durante o tratamento, a Maria estabeleceu um segundo objetivo para trabalhar a causa das frieiras. Dois meses depois, já não tinha bolhas e as manchas tinham diminuído. Ao fim de um ano, todos os sintomas desapareceram.

Sabia que o frio pode não ser o único responsável pelas frieiras? As emoções podem manifestar-se no seu corpo através de diferentes sintomas físicos.

Contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita e conhecer as nossas modalidades. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

psic-equipa-jatirschmitt

Jatir Schmitt – Psicóloga Clínica

 

Partilhar

Depressão: crise ou oportunidade?

post_depressaoA depressão pode levá-lo para o bosque mais profundo da sua alma, mas também pode ajudá-lo a limpar as ervas daninhas desnecessárias e os arbustos que podem estar a impedi-lo de ver a beleza da vida.”

Também se sente no bosque mais profundo da sua alma?

A tristeza é uma emoção adaptativa que ocorre em resposta a um acontecimento de vida negativo, normalmente representativo de uma perda. Pode ser causada por situações traumáticas como a perda de um ente querido, perda de emprego, fim de uma relação, doença crónica e também pode ser aprendida ao longo da vida, passando muitas vezes despercebida. Implica uma necessidade de se recolher e ser acolhido pelos outros, sendo uma forma de poupar energia para conseguir gerir e guardar recursos para o futuro.

Esta condição é uma resposta universal e a capacidade para a experienciar é saudável. Quando o sentimento de tristeza profundo se prolonga no tempo, ou quando somos incapazes de o sentir, podemos estar perante um quadro de depressão. Esta circunstância prejudica o funcionamento e afeta negativamente o modo como se sente, pensa e age.

Se se encontra neste estado, pode notar que ocorreram várias mudanças a nível físico, emocional e comportamental, tais como:

  • Perda de interesse e prazer na maioria das atividades
  • Fadiga ou perda de energia
  • Lentificação motora
  • Insónia ou hipersónia
  • Diminuição da líbido
  • Perda e aumento de peso não relacionados com dieta
  • Agitação e/ou irritabilidade
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessivos
  • Crises de choro
  • Sensação de vazio
  • Dificuldade em raciocinar/concentrar-se ou tomar decisões
  • Pensamentos recorrentes acerca da morte/suicídio ou tentativas de suicídio
  • Tendência para o isolamento
  • Sentimento de desesperança em relação ao futuro

Durante muito tempo, a depressão foi uma condição mal compreendida que levou à estigmatização daqueles que sofrem com ela. Estar deprimido não é sinónimo de ser preguiçoso, mentalmente fraco ou de não conseguir lidar com os problemas. Todos estes sintomas são reais, a pessoa não quer estar deprimida, apenas necessita de ajuda para se libertar das amarras da depressão.

Este estado pode ser encarado como um período da vida de recolhimento consigo próprio que o leva a refletir acerca de questões sobre as quais, de outro modo, não refletiria. Isto permite que ganhe um maior (auto) conhecimento e fique mais fortalecido. Toda a crise é uma oportunidade de crescimento.

Se se sente assim ou conhece alguém que está a passar por um momento idêntico, não se isole, rodeie-se por aqueles que ama, mantenha actividades agradáveis no seu dia-a-dia e, caso sinta que o deve fazer, procure ajuda profissional.

A terapia é um recurso que pode auxiliá-lo a limpar as ervas daninhas e arbustos que o impedem de ver e usufruir da beleza da vida, fornecendo condições para que possa cultivar e manter a sua alegria e paz interior.

Partilhar