Sabia que o intestino é tão importante como o cérebro na saúde mental?

Sim, é verdade. Acredite que o intestino faz mais do apenas digerir os alimentos. Este órgão tem a capacidade de proteger contra doenças e ajudar no funcionamento do cérebro. A sua importância é tal que já o denominaram de “segundo cérebro”.

Como é que o intestino interfere no equilíbrio do organismo?
70% das células do sistema imunitário residem neste órgão. É por isso que ter um intestino saudável é essencial para a prevenção de doenças. Este órgão aloja 500 milhões de neurónios e triliões de bactérias que estão envolvidas em processos essenciais do organismo. Esta quantidade de neurónios é o suficiente para que os circuitos desde órgão atuem sozinhos, sem comando cerebral, formando um sistema nervoso próprio que coordena:

  • tarefas de libertação de substâncias digestivas
  • movimentos que estimulam a excreção do bolo fecal

A ligação entre intestino e o cérebro é feita através do nervo vago, uma estrutura que passa pelo tórax. Assim, o abdómen envia mensagens para o cérebro e o inverso também acontece. Essa é a razão pela qual diante de uma situação de stress, pode sentir um calafrio na barriga ou vontade súbita de ir à casa-de-banho.

Uma das principais substâncias produzidas e armazenadas neste órgão que afeta o seu estado emocional é serotonina, um neurotransmissor responsável pelo bom humor. Baixos níveis da serotonina estão associados a ansiedade e a depressão, por isso, ao preservar a saúde intestinal está a prevenir estes quadros.

É importante também lembrar dos triliões de bactérias que formam a sua flora intestinal, ou microbioma, que auxiliam na digestão de alimentos e a retirar deles a energia que precisa. O microbioma, interfere na predisposição a várias doenças e é capaz de influenciar até o comportamento e as emoções. Um microbioma saudável é diverso, contendo uma grande variedade de espécies diferentes de micro-organismos, que podem influenciar:

  • o peso e maneira como a gordura é armazenada
  • os níveis de energia
  • as emoções e o bom humor

Então, como preservar a saúde intestinal e fortalecer a saúde física e emocional?
O microbioma é formado a partir do nascimento e funciona como um computador intestinal. Deve apostar nas bactérias certas, que vão preencher o microbioma de “sensores do bem”. Procure:

  • Diversificar o microbioma: o microbioma será tão variado quanto mais variada for a sua dieta, garantindo que este absorve o máximo de nutrientes possíveis. Evite o glúten e aposte em probióticos, bactérias reconhecidamente benéficas e que podem ser encontradas em iogurtes, kefir de leite e de água, leites fermentados, queijos e cápsulas.
  • Reduzir o stress: aposte na meditação, relaxamento ou ioga pois, irá favorecer a produção de substâncias que contribuem para o humor e bem-estar.
  • Evitar certas substâncias: se já tem sintomas de algum problema intestinal, deve evitar álcool, cafeína e comidas muito condimentadas, pois estas podem agravá-lo;
  • Dormir melhor: mudar ou interromper o seu relógio biológico, alterando os padrões de sono, também prejudica o funcionamento do seu intestino. Procure desenvolver uma rotina do sono.
    • Estas dicas evidenciam que existem diferentes áreas implícitas na saúde emocional, tornando-a complexa e dinâmica. Se ao ler estas dicas, se apercebeu de alguma negligência perante a sua saúde e considera difícil agir corretamente, deixe de se prejudicar e procure ajuda.

      A Clínica PSIC utiliza abordagens integrativas e sistémicas na área da Psicologia Clínica, para que possa refletir sobre o seu modo de vida atual e equilibrar as diferentes áreas implícitas da sua saúde emocional. Para saber mais informações, usufrua da nossa consulta informativa gratuita. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância.

      Leia também:
      Como o stress afeta o estômago
      http://bit.ly/2qQalGh

      0 0 vote
      Article Rating
      Partilhar
Subscrever
Notificação de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments