A diferença entre Ansiedade e Pânico

O que é a ansiedade?

A ansiedade é inerente a todos os seres humanos e é a característica biológica que antecede situações de perigo. Pode ser sentida através de alterações físicas, como a dificuldade em respirar, aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca, tremores, sudação, entre outros.

Qual a origem da ansiedade?

Há 200 mil anos o Homo Sapiens para conseguir sobreviver estava constantemente exposto a perigos e defrontava cenários ameaçadores, como caçar sozinho. Hoje em dia, embora de forma diferente, os medos persistem: medo de perder o emprego, medo de falhar, medo de andar de carro, medo de alguém querido morrer…  mas o nosso cérebro funciona da mesma forma.

Como funciona então o nosso cérebro?

  1. O cérebro possui um sistema que o protege de situações de risco e quando este sistema ativa a amígdala cerebral avalia a intensidade do que está a acontecer, avisando o responsável pelo comando do corpo, o hipotálamo.
  2. O sistema nervoso simpático é ativado e, consequentemente, as glândulas suprarrenais produzem adrenalina, acelerando o coração e produzindo mais oxigénio, com o intuito de aumentar a sua capacidade de enfrentamento ou de fuga da situação ameaçadora.
  3. A produção de cortisol no corpo aumenta, elevando o nível de stress e comprometendo o sistema imunitário.

A ansiedade pode ser benéfica?

Fisiologicamente, o corpo necessita da ansiedade para reagir a situações de perigo, ou seja, tem uma função adaptativa e este é um processo necessário de sobrevivência. O medo é a reação emocional à ameaça iminente, real ou percebida, ou seja, é uma reação de sobrevivência que acontece no momento.

Como se pode manifestar a ansiedade?

A ansiedade tem normalmente em comum o sintoma básico do evitamento, podendo apresentar diferentes manifestações, como por exemplo:

  • Ansiedade de separação: medo/ansiedade desajustado à idade daqueles a quem tem apego, com sofrimento e danos – a duração mínima desta ansiedade é de 1 mês;
  • Mutismo seletivo: incapacidade para falar em determinados contextos sociais, que pode afetar a produtividade escolar, profissional e social– a duração mínima desta ansiedade é de 1 mês;
  • Fobia específica: quando um objeto ou situação específica provoca uma resposta intensa de medo/ansiedade. Como por exemplo, o medo de voar, de andar de transportes públicos, locais fechados, etc. – a duração mínima desta ansiedade é de 6 meses. 

E o pânico? O que é e como se relaciona com a ansiedade?

A ansiedade antecede o pânico! O pânico consiste numa avaliação alterada e disfuncional dos sintomas do corpo, quando se encontra num estado elevado de stress. Perante um falso alerta de perigo, surge a sensação de morte e descontrolo, decorrente da descarga intensa de noradrenalina, tal como na ansiedade.

O que é um ataque de pânico?

O ataque de pânico consiste num medo súbito, intenso, incómodo, arrebatador e recorrente, que atinge um pico em minutos e pode ser identificado quando acontece uma ou mais reações como: sentimento de desproteção, ansiedade intensa, coração acelerado, palpitações, taquicardia, sensação de falta de ar ou sufoco, náuseas ou desconforto abdominal, transpiração, tremores, calafrios ou sensação de calor, tonturas ou sensação de desmaio, sensações de formigueiro, sensação de morte iminente, medo de perder o controlo ou enlouquecer, medo de morrer,  sensação de estar afastado de si e sensação de irrealidade.

Como reagir perante um ataque de pânico?

É importante ativar o sistema parassimpático, baixar a produção da noradrenalina, promovendo a comunicação do seu sistema límbico com o cortéx pré-frontal, normalizando o seu estado através da estimulação de ações que permitem ao organismo responder a situações de calma, como desacelerar o coração e diminuir a pressão arterial.

Como prevenir ataques de pânico e reduzir a ansiedade?

Diversos estudos indicam que o relaxamento, a hipnose, as técnicas de respiração e coerência cardíaca e as intervenções psicossensoriais promovem a neuro modulação dos estados ansiosos, ajudam na redução da produção da noradrenalina, na mudança de perceção e na reinterpretação dos eventos.

Contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Partilhar

Um testemunho sobre Ansiedade

Margarida sempre se caracterizou como uma pessoa muito ativa, alegre e com um gosto especial por viajar por todo o mundo. A ansiedade não escolhe idades e por volta dos seus 70 anos, Margarida começou a ter crises de ansiedade que mudaram a sua vida. Tomava muita medicação e sentia-se cada vez pior psicológica e fisicamente: não tinha equilíbrio, caía e a inatividade começou a apoderar-se de si. A Margarida entrou em contacto connosco, ainda que um pouco cética devido aos insucessos com outros tratamentos anteriores.

Partilhamos aqui o seu testemunho:

“Desde há dois anos, que sofria de crises de ansiedade que me tornavam a vida insuportável. Sentia-me pessimamente, desmotivada, sem animo, sem força para fazer o que quer que fosse, mesmo aquilo que eu mais gostava de fazer anteriormente. Depois de diversas tentativas para, pelo menos, minimizar o mal que me atormentava, revelou-se infrutífero, levando-me a um estado de desânimo total. Por sugestão, recorri à clínica PSIC. Confesso que depois de tantos insucessos anteriores, sentia-me um pouco desconfiada dos resultados. Iniciei o tratamento, com cautela, avaliando o seu efeito e após duas ou três sessões pude verificar (agora com confiança) que estava a resultar. Com o prosseguimento do tratamento comecei a sentir-me cada vez melhor, as crises de ansiedade diminuíram de intensidade e de frequência, e pude prosseguir com a minha vida normal. No final, sentia-me bem, mesmo muito bem, o pesadelo desapareceu e a vida voltou a ter cor!”

Leia também: SOS Ansiedade

Também sofre de ansiedade?

Ao ler e ouvir este testemunho, identificou-se com a história de Margarida? Tem crises de ansiedade que afetam a sua rotina diária?

Na Clínica Psic – Psicologia Integrada estabelecemos um programa de intervenção com estratégias terapêuticas eficazes na regulação da ansiedade, promovendo o equilíbrio da sua vida. Se, tal como a Margarida quer que a sua vida volte a ter cor, contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Partilhar

SOS Ansiedade

Sabia que 15% da população sofre de ansiedade? Talvez se insira nessa percentagem. Tem momentos em que os pensamentos não páram e se apoderam de si, a respiração começa a ficar descontrolada, fica com o corpo tenso e sem saber o que fazer, tenta relaxar a todo o custo, mas não consegue e os pensamentos negativos ficam ainda mais intensos, começa a sentir vergonha e fica sem saber o que fazer…

Veja este pequeno vídeo e verifique se se identifica com estes sintomas:

Se a ansiedade é a sua realidade, uma coisa é certa, se nada fizer, o sofrimento será cada vez maior. Aqui estão algumas sugestões para aliviar este sofrimento:

  • Em alguns momentos do seu dia, faça várias pausas de breves instantes para respirar e tirar a tensão do seu corpo
  • Tenha momentos de lazer, tanto só, como na companhia de alguém
  • Consuma alimentos que tenham aminoácidos e vitaminas, pois aumentam os níveis de serotonina responsáveis pelo prazer e bem-estar
  • Beba chá de plantas calmantes como: camomila, alecrim, cidreira, passiflora, chá de banana, chá de alface…
  • Realize atividades físicas simples como: caminhadas, andar de bicicleta, subir e descer escadas, brincar com crianças, passear animais…
  • Ao fim do dia, tenha um momento só seu, desligue-se: tire o som do telemóvel, faça uma breve meditação
  • Prepare-se, crie um ritual de recolhimento e descanse antes de ir dormir…

Caso sinta que os sintomas persistem e que continuam a perturbar a sua vida, é importante procurar ajuda especializada para que tenha um acompanhamento adequado e eficaz.

A hipnose e a psicoterapia associadas ajudam a entender as razões da sua ansiedade, trabalham com a sua mente inconsciente, dando-lhe apoio, mudam a sua programação interna, os seus hábitos inadequados e dão um novo significado às suas emoções.

Contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Partilhar

Quando a impulsividade não é saudável

Agir por impulso é inevitável. Há certos momentos na vida em que ser impulsivo é uma força motivadora, que pode estimular e melhorar alguns momentos da nossa vida – trata-se da impulsividade funcional.

Porém, quando as pessoas têm reações de raiva, desproporcionais a algumas situações, agindo de forma altiva e descontrolada, tendem a tomar decisões e agir precipitada e imprevisivelmente, sem avaliarem as consequências desse comportamento, do qual tendem a arrepender-se.

Quando há muita ansiedade, tornamo-nos mais impulsivos. Por exemplo, temos gastos compulsivos, condução imprudente, comemos compulsivamente, discutimos constantemente ou fumamos/bebemos álcool em excesso. Estas são algumas situações de impulsividade disfuncional e este tipo de impulsividade não é saudável!

Leia também:
Aproveite para ver a história “A Raposa e o Lenhador” que ilustra bem as consequências de agir sem pensar
https://youtu.be/2Q9GUApQU0w (A Raposa e o Lenhador)

Tem dificuldades em controlar as suas emoções e atitudes? Sente que a sua impulsividade não é saudável e está a afetar a sua qualidade vida e as suas relações com os outros? Saiba como podemos ajudar através do nosso website – www.psic.com.pt e contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Partilhar

Porque é que o negativo vem sempre em primeiro lugar? 6 conselhos para se manter uma pessoa positiva – parte 2

Aproveite estes 6 conselhos da PSIC para o ajudar a manter-se positivo:
1. Aprenda a relaxar – nesses dias difíceis, relaxar parece impensável. Saiba que o pode fazer simplesmente mudando o caminho para o seu trabalho de forma a apreciar uma nova paisagem ou até mesmo, fazendo algo que desligue o seu cérebro de todas essas preocupações e o deixe entretido, isto também é relaxar.
2. Aceite – Quando surge algum problema, às vezes é importante aceitar que já não pode fazer nada pelo que aconteceu. Agora só lhe resta seguir em frente e arranjar a melhor solução possível. Mude de estratégia, o importante é persistir.
3. Confie em si – Conheça-se com todas as suas dificuldades, forças, fraquezas e aptidões. É importante que se conheça, para nada será demais para si. Merecerá e será capaz de conquistar tudo o que deseja!
4. Insista na paciência – Lembre-se que tudo tem o seu tempo. Quando algo corre diferente do planeado ou quando os pensamentos negativos, incertezas e preocupações aparecem. Pare e acalme-se, mantenha o foco. A perseverança é solução.
5. Reforce os seus pensamentos e atitudes – Você é o seu melhor amigo, reconheça-se, valorize-se e aplauda todas suas atitudes e pensamentos positivos.
6. Seja grato – Agradeça pela sua vida, por aquilo que é e por todas as coisas boas que lhe acontecem, por mais pequenas e simples que sejam.

A Clínica PSIC pode ajudar e facilitar este alcance do equilíbrio emocional e bem-estar, obtendo uma vida mais feliz e positiva, através de intervenções específicas de hipnoterapia, terapias psicossensoriais e biofeedback.

Contacte-nos para uma consulta informativa gratuita.

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Jatir Schmitt- Psicóloga Clínica

 

Partilhar

Porque é que o negativo vem sempre em primeiro lugar? – parte 1

Já reparou como é que o negativo é tão atraente para o ser humano? Como as notícias mais violentas do telejornal nos retiram toda a nossa atenção? E os três erros ortográficos que o seu filho deu no ditado da escola? Provavelmente irá focar-se apenas nesses erros e deixar todas as outras palavras escritas corretamente, de lado. Sabe porque o faz?

O nosso cérebro está constantemente em alerta, de forma a detetar potenciais perigos ou perdas. Porquê? Faz parte da evolução do ser humano – o instinto de sobrevivência está no seu ADN. Desta forma, é possível perceber as tantas vezes em que até estava relaxado e feliz, mas o seu cérebro continuava a insistir na busca infindável de algum sinal de perigo ou ameaça. Quantas vezes pensou “É demasiado bom para ser verdade”?

Nestes momentos precisávamos de saber dominar esta predisposição negativa, pois a mesma afeta o nosso equilíbrio emocional, bem-estar e saúde física. Quando não controlamos esta predisposição, o nosso cérebro começa a disparar o sinal de alarme de uma forma mais regular e intensamente e isso, desgasta a nossa mente e o nosso corpo. Assim, irá gerar-se um ciclo vicioso de ansiedade, preocupação, mágoa, irritação e frustração.

É importante que treine o seu cérebro para o positivo, tente incorporar experiências positivas, agradáveis e novas no seu dia-a-dia, o seu organismo irá reagir intensamente, mas desta vez para o positivo.

Ao treinar o seu cérebro para o positivo verá que se tornará uma pessoa mais positiva! Aguarde pela nossa próxima publicação, iremos dar-lhe algumas dicas para manter a positividade – um antídoto para os seus dias mais difíceis.

O bem-estar mental é um direito que deve estar ao alcance financeiro de todos. Se é estudante, está desempregado ou numa situação económica fragilizada, saiba como usufruir de preços ajustados à sua realidade em psic.com.pt/prosocial

Jatir Schmitt- Psicóloga Clínica

Partilhar

Pode ser esta a causa para os seus problemas de rins

Os rins são, por excelência, o órgão do equilíbrio físico e emocional. São a morada da nossa energia essencial. A sua principal função é a filtragem das substâncias absorvidas pelo organismo, identificando quais as substâncias benéficas e que podem ser utilizadas e quais as substâncias tóxicas que precisam ser eliminadas.

Sabia que os problemas renais podem estar relacionados com a incapacidade de filtrar, desprender e eliminar factos desagradáveis do passado, como sentimentos e comportamentos?

Estas são as 5 emoções mais frequentemente ligadas aos problemas renais:

  1. Medo

Habitualmente a emoção que desequilibra os rins é o medo. Quem se sente inseguro e com medo em relação ao futuro, anda desassossegado com várias preocupações e tende a apresentar dores nos rins.

 

  1. Conflitos Relacionais

O sistema renal é composto por um par de rins, estando dependente da parceria e cumplicidade entre o par para uma correta atividade. Assim, o bom funcionamento dos rins também pode ser posto em causa no decurso de conflitos relacionais.

 

  1. Pessimismo

O saudável funcionamento renal também é afetado pelo foco excessivo nas dificuldades;

 

  1. Confusão e Angústia 

Pela falta de direção pessoal;

 

  1. Outros 

Por problemas psicológicos herdados.

 

Se quiser esclarecer dúvidas em relação a este assunto ou se pretender saber mais sobre as causas psicológicas que podem estar na origem dos seus problemas renais, entre em contacto connosco.

Se ficou com curiosidade sobre a ligação entre a saúde emocional e física, reveja o nosso artigo O stress adoece o corpo?

Jatir Schmitt- Psicóloga Clínica

Partilhar