A COVID-19 pode contribuir para o excesso de peso?

A resposta é:

Sim, a COVID-19 pode provocar compulsão alimentar!

A pandemia agravou os sintomas de desequilíbrio dos neurotransmissores e a compulsão alimentar pode ser consequência desse desequilíbrio. De acordo com especialistas, de forma geral, 70% da população tem um desequilíbrio dos neurotransmissores.

Quais são os 4 fatores responsáveis por esse desequilíbrio dos neurotransmissores?

  1. Hereditariedade
  2. Medicação
  3. Hábitos de vida
  4. Má alimentação

Qual o neurotransmissor que controla o apetite e qual a sua relação com a comida?

A dopamina controla o apetite e está, diretamente, conectada ao sistema de recompensa do cérebro. Quando come algo do seu agrado sente uma sensação de satisfação e felicidade, certo? Isto surge porque o cérebro regista esse momento como sendo prazeroso, considerando-o um comportamento a repetir. Inicia-se, então, uma luta entre a razão e a emoção. Se a emoção vencer, o comportamento prazeroso será repetido, fortalecido e dificilmente resistirá à tentação, isto é, gera compulsão. Se a razão vencer, o cérebro vai considerar e controlar o comportamento e tentar substituir por outros alimentos que gerem sensações de prazer igualmente proporcionais em quantidade equilibrada.

Uma das rotinas mais alteradas durante o isolamento social é o ato de se alimentar. Torna-se difícil conseguir manter a mente livre das tentações de alimentos menos nutritivos. A denominada fome emocional é a mais prevalecente no isolamento em casa, onde a pessoa acaba de comer, mas deseja continuar, como forma de aconchego e segurança.

7 estratégias para prevenir a compulsão alimentar:

  1. Faça a gestão do stress com atividade física
  2. Minimize a ansiedade com atividades prazerosas
  3. Mude o seu stock de alimentos em casa, de preferência com alimentos saudáveis
  4. Planeie e prepare refeições adequadas para si
  5. Confecione o alimento com carinho e amor
  6. Coma com atenção e repare: na aparência, aroma, paladar e textura
  7. Pratique a gratidão

Num momento em que os prazeres da vida estão escassos é fácil recorrer à ilusão do prazer momentâneo que o alimento oferece. A tendência é a repetição viciante desta recompensa, que deriva da libertação dopaminérgica no organismo, podendo ser responsável pela instalação de uma compulsão alimentar.

Talvez tenha recorrido mais vezes e em maior quantidade à comida do que o desejável. E mesmo perante várias dicas que recebe sente dificuldade em controlar-se. Em parte, o que sente, advém de um isolamento que a realidade atual nos impõe e como consequência disso surge a fome emocional.

Como controlar a compulsão alimentar?

A compreensão do sistema de recompensa do cérebro permite uma melhor perceção de como podemos controlar a alimentação desadequada, no entanto, nem sempre conseguimos, sozinhos, normalizar a situação. Como forma de prevenir uma compulsão alimentar proveniente da atual situação atípica é importante salientar que recorrer a um profissional ajuda na gestão do stress e na aquisição de recursos comportamentais geradores de prazer que estimulam a produção saudável de dopamina.

 

A clínica PSIC disponibiliza uma consulta gratuita informativa que pode ser presencial ou à distância sobre a compulsão alimentar.

Partilhar

Come sem ter fome? Pode sofrer de compulsão alimentar

É comum a alimentação tornar-se no refúgio daqueles que sentem mais carências afetivas ou estão mais fragilizados emocionalmente. O sentimento de falta de amor e carinho muitas vezes é a causa da vontade de comer compulsivamente e da fome emocional.

Por outro lado, os problemas do dia-a-dia, tais como o desemprego, as contrariedades no relacionamento afetivo, as dificuldades de comunicação, as dificuldades em cumprir com a rotina diária, poderão contribuir para o mal-estar emocional.

Do mesmo modo, a falta de confiança em si mesmo, o medo de abandono, o sentimento de carência, a vergonha e a desvalorização pessoal influenciam o aparecimento das disfunções alimentares, sustentadas pelos problemas psicológicos, comportamentais, sociais e ambientais.

A sensação do vazio emocional que sentimos em vários momentos na vida, leva-nos a comer sem ter fome, simplesmente por carência. Nesses momentos, escolhemos quase sempre os alimentos que nos dão prazer, pois elevam a serotonina que aumentam a sensação de bem-estar.

Desde que nascemos e perante o nosso primeiro choro, a amamentação é a forma usada para nos tranquilizar. Aprendemos, assim, que o alimento é prazeroso e nos proporciona sensações de conforto, de tal forma que, nos momentos mais difíceis na vida, a alimentação pode ser um recurso usado para obtermos o aconchego, a alegria e a completação que nos falta.

Cuide das suas emoções, encontre novos hábitos saudáveis e aumente o seu bem-estar, sem recorrer à alimentação compulsiva!

Contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).
consulte o nosso site para mais informações relativas ao excesso de peso.

Partilhar

O que deve saber sobre a compulsão alimentar

A compulsão alimentar é caracterizada como um desequilíbrio e/ou descontrolo alimentar excessivo. Geralmente ocorre em situações de maior stress e ansiedade, causando uma vontade incontrolável de comer. Este problema pode surgir em qualquer idade e em qualquer género, pode igualmente provocar consequências graves na saúde, tais como obesidade, diabetes, impotência sexual, distúrbios hormonais, entre muitos outros problemas que necessitam da atenção terapêutica cuidada.

Conhece as principais causas da compulsão alimentar? Estas são as 3 causas mais frequentes da compulsão alimentar:

  • Ansiedade
    Quando estamos mais ansiosos, tendemos a comer de forma mais rápida, perdendo a consciência da quantidade de alimentos ingeridos, acabando por comer em excesso, mesmo após nos sentirmos saciados.
  • Baixa Autoestima
    Quando temos dificuldade em nos autovalorizarmos, em gostar de nós próprios, da nossa imagem física e capacidade intelectual, tendemos a criar um desequilíbrio neurológico, hormonal e físico, refletindo-se principalmente nos hábitos alimentares.
  • Outros distúrbios associados
    A compulsão alimentar é sempre um sinal de alerta. Surge regularmente associada a várias disfunções psicológicas nomeadamente fobias, medos, depressão e outros sentimentos negativos. É uma forma encontrada para colmatar as emoções negativas, procurando na comida uma recompensa, que alivia nesses momentos de maior sofrimento emocional.

Se está a passar por uma situação, em que a sua alimentação está a condicionar um desequilíbrio na sua vida é o momento de tomar uma decisão pela sua saúde! Procure um acompanhamento terapêutico, para, com a ajuda profissional, eliminar a compulsão alimentar. Contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita. ou consulte o nosso site para mais informações relativas ao excesso de peso. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Testemunho – “Perdi 23 kg e parei com a compulsão da comida!”
“Eu já conhecia o trabalho da Jatir. O que me levou a procurar a clinica porque a ansiedade voltou. Há cerca de 6 anos a Jatir já trabalhou comigo numa fase, talvez a mais dolorosa, da minha vida. Cheguei à Jatir completamente descompensada e sem Norte. Quando terminei o tratamento… Saí como se tivesse nascido de novo, levei ferramentas que me ajudaram a atingir objetivos e sonhos que tenho ambicionava, tais como: Perdi 23kg; fiquei super elegante; fui para a faculdade, que hoje estou no fim do curso, faltam 4 meses! Mas em 6 anos muito aconteceu e a Ansiedade voltou pois eu voltei a desleixar-me comigo. Voltei a comer compulsivamente e a ficar muito irritada com tudo e todos, enfim fiquei com a alma doente.
Voltei a pedir ajuda a Jatir que com a metodologia que ela usa e outras novas ferramentas orientou-me mais uma vez para o meu caminho para o “Eu”. O “DOS” foi diferente neste processo. Muito melhor, mais intenso. Levo comigo mais ferramentas para orientar a minha Alma e o meu corpo para a Luz. De imediato, já parei com a compulsão da comida, a ansiedade já diminuiu e estou mais serena, mas eu sei que ainda vou ficar melhor pois vou aplicar os conhecimentos da Jatir.
Aprender a Amar a Vida, começando por nos amarmos a nós mesmos.
Obrigado Jatir! Obrigado! Obrigado!”

Benedita Figueiredo (nome fictício)

Partilhar