Como se libertar do sentimento de inferioridade

Alguma vez sentiu que os outros são mais inteligentes? Ou bonitos? Ou sofisticados? Costuma sentir-se inferior a alguém? Estas são algumas das características do complexo de inferioridade:

  • Hábito de comparação com outros
  • Preocupação excessiva com a opinião de terceiros
  • Procura pelo reconhecimento ou aprovação de outras pessoas
  • Procura excessiva pela perfeição
  • Sensibilidade à crítica
  • Isolamento
  • Vitimização

Reconhece em si algumas destas características? Muitas vezes, quando se sente inferior a alguém existe uma idealização da outra pessoa, ou seja, vê qualidades nessa pessoa que não percebe em si. O complexo de inferioridade pode abalar a sua autoconfiança e prejudicar a sua vida profissional e pessoal. Como superar então este sentimento de inferioridade? Aqui ficam 4 dicas que podem ajudar:

  1. Deixe de se comparar! Quando sentir que se está a comparar, faça uma breve pausa: pare, respire profundamente e apenas observe os seus pensamentos. Depois, encontre pensamentos alternativos mais positivos
  2. Identifique as suas qualidades – sempre que se criticar, altere o foco de pensamento e reconheça pelo menos uma qualidade
  3. Reconheça as suas vitórias – para cada vitória, celebre! Por mais pequena que esta seja, perceba que foi pelo seu esforço que conseguiu. Sinta-se grato.
  4. Trabalhe a sua autoestima – realize atividades que estimulem a sua confiança e que o façam sentir-se bem e confiante!

O complexo de inferioridade está enraizado na falta de amor próprio e resulta de frustrações, traumas e rejeições. É aprendido desde a tenra infância, podendo evoluir para depressão e ansiedade. Se quer mudar esta realidade o primeiro passo é reconhecer que tem um papel ativo na mudança e desejá-la. A hipnoterapia, combinada com a psicoterapia, ajuda a compreender a sua história de vida, a origem desse sentimento, as suas necessidades emocionais e propicia a limpeza da carga emocional, o autoconhecimento e a superação pessoal.  A Clínica PSIC pode ajudar. Na consulta informativa gratuita apresentamos a nossa metodologia terapêutica. Entre em contacto connosco. As nossas consultas podem ser presenciais ou à distância (online).

Partilhar

Sentimento de Inferioridade

Um samurai, conhecido por todos pela sua nobreza e honestidade, veio visitar um mestre em busca de conselhos. Entretanto, assim que entrou no templo onde o mestre rezava, sentiu-se inferior, e concluiu que, apesar de toda a sua vida ter lutado por justiça e paz, não tinha sequer chegado perto ao estado de graça do homem que tinha à sua frente.
– Por que razão estou a sentir-me tão inferior a si? Já enfrentei a morte muitas vezes, defendi os mais fracos, sei que não tenho nada do que me envergonhar. Entretanto, ao vê-lo meditar, senti que a minha vida não tem a menor importância – disse o samurai.
– Espere. Assim que eu tiver atendido todos os que me procurarem hoje, eu dou-lhe a resposta – disse o mestre.
Durante o resto do dia o samurai ficou sentado no jardim do templo, a olhar para as pessoas que entraram e saíram à procura de conselhos. Viu como o mestre atendia a todas as pessoas com a mesma paciência e com o mesmo sorriso luminoso no rosto. Mas o seu estado de ânimo ficava cada vez pior, pois tinha nascido para agir, não para esperar. De noite, quando todos já tinham partido, ele insistiu:
– Agora pode-me ensinar?
O mestre pediu que entrasse, e conduziu-o até o seu quarto. A lua cheia brilhava no céu, e todo o ambiente inspirava uma profunda tranquilidade.
– Estás a ver esta lua, como ela é linda? – disse o mestre. – Ela vai atravessar todo o céu, e amanhã o sol tornará de novo a brilhar. Só que a luz do sol é muito mais forte, e consegue mostrar os detalhes da paisagem que temos à nossa frente: árvores, montanhas, nuvens. Tenho contemplado os dois durante anos, e nunca escutei a lua a dizer: por que não tenho o mesmo brilho do sol? Será que sou inferior a ele?
– Claro que não – respondeu o samurai. – Lua e sol são coisas diferentes, e cada um tem a sua própria beleza. Não podemos comparar os dois.
– Então, tu já sabes a resposta. Somos duas pessoas diferentes, cada qual a lutar à sua maneira por aquilo que acredita, e a fazer o possível para tornar este mundo melhor. O resto são apenas aparências.
Autor Desconhecido

Partilhar