Está na hora de colocar limites pessoais?

Sente que se compromete excessivamente com problemas de outras pessoas? Acha que a sua vida está a ser afetada como resultado da dor dos outros? Se a resposta é positiva, esse é um reflexo de que possui limites pessoais frágeis e que melhorá-los pode ser muito útil.

O que são limites pessoais?
Os limites pessoais são paredes mentais, emocionais e até físicas que são criadas para se proteger e evitar ser usado ou manipulado por outras pessoas. Assim, criar e manter limites pessoais é essencial para o bem-estar físico, emocional e psicológico.

O que acontece quando os limites pessoais são permeáveis?
Quando os limites pessoais são permeáveis corre o risco de confundir as suas necessidades com as dos outros, o que leva a um comprometimento excessivo com tudo e todos, que pode afetar a sua saúde emocional.

As pessoas com fracos limites pessoais estão sempre disponíveis, prontas para ajudar, para corresponder ao desejo do outro e agradar. Evitam dececionar ou aborrecer quem quer que seja e, como contrapartida acabam por se aborrecer e dececionar consigo próprios. O que realmente está em falta nessas pessoas é assertividade e sentido de proteção do seu espaço pessoal.

Quais são alguns sinais da falta de limites pessoais?

  • Ter dificuldades em exprimir-se quando é maltratado
  • Doar excessivamente o seu tempo
  • Concordar com as pessoas quando realmente discorda
  • Dificuldade com o sim e não
  • Fazer sacrifícios pelos outros e comprometer as próprias necessidades
  • Compartilhar demasiados detalhes da sua vida com outras pessoas
  • Sentir receio ou vergonha do que os outros possam pensar de si

Porque é importante estabelecer limites pessoais?
Evitar expressar a sua opinião e comunicar as suas necessidades de forma clara pode ser angustiante. Por isso, os limites são importantes para a manutenção da autoestima. Quando existem limites pessoais, torna-se mais fácil comunicar assertivamente e sentir-se bem consigo mesmo. Neste sentido, é importante traçar uma linha clara dos seus limites para recuperar o seu poder pessoal.

Ter limites pessoais:

  • É diferente de ser egoísta: é ter respeito e amor próprio, isto é, autoestima.
  • Pode aumentar a saúde das suas amizades: limites emocionais claros podem desagradar algumas pessoas, porém, são perdas necessárias, que podem ser substituídas por pessoas que o respeitem, ouçam e gostem de si.
  • Pode deixá-lo mais feliz: criar limites pode parecer desconfortável ao início, mas depois fará com que se sinta mais capaz de estabelecer boas relações, com base na reciprocidade.
  • É diferente de ser rígido: Os limites nem sempre são pretos e brancos ou feitos de ferro e aço. Estes são maleáveis e podem moldar-se de acordo com as suas necessidades do momento.

Ao colocar-se em primeiro lugar favorece a criação de relações mais saudáveis e auxilia a que economize energia para que possa ser útil aos outros de uma forma adequada e recíproca, sem alimentar relações de utilidade.

É sempre altura para adequar os seus limites e proteger o seu espaço pessoal. Para isso, pode ser necessário encontrar e desfazer crenças e sentimentos que o impedem de ter relações de reciprocidade. A PSIC pode ajudá-lo no seu desenvolvimento pessoal, começando pelo amor próprio. Para saber mais informações, contacte-nos para uma consulta informativa grátis.

Partilhar

Como nos adaptarmos às estações da mudança?

Seja pela forma como nos vestimos ou alimentamos em cada momento do ano, todos queremos melhorar o bem-estar e conviver melhor com as adversidades de cada estação.

E já reparou que nem sempre entendemos as nossas próprias mudanças, referentes à nossa natureza interna?
Se vestimos um casaco quando está frio, é normal que também nos devamos moldar para lidar com as nossas próprias estações de mudança, que têm impacto no corpo, nas emoções e nos hábitos, em geral. As circunstâncias mudam naturalmente ao longo dos ciclos de vida e se o nosso estado psicológico e comportamento estiverem em harmonia com esses ritmos da natureza, será mais fácil abraçar a mudança sem esforço, entendendo que as circunstâncias do momento são apenas temporárias.

Sabia que cada estação do ano está relacionada com uma transformação interna?

  • O Verão é a estação de recompensa, celebração e realização – traz oportunidade de expansão;
  • O Outono é época de sobrevivência, erros e problemas – traz a colheita dos frutos das nossas ações;
  • O Inverno é a estação para reflexão, hibernação e planeamento – traz autorreflexão e recolhimento;
  • A Primavera é a estação para aprendizagem, oportunidade e pensamento dinâmico – traz uma oportunidade de aprendizagem antes de nos abrirmos para o que é novo.

O tempo que levamos para progredir entre cada temporada é um reflexo do nosso estado de espírito e capacidade de adaptação às circunstâncias atuais.

Como nos podemos adaptar às estações de mudança?
As estações da vida existem para nos ensinar lições sobre nós próprios, sobre os outros e sobre a vida, ao mesmo tempo que nos ajudam a fortalecer a mente, a animar o espírito e fortificar a resiliência emocional diante das adversidades e oportunidades. Existem 3 passos essenciais para nos adaptarmos às estações de mudança:

  • Aceitar que tudo muda constantemente:

    Nada se mantém inalterado por muito tempo. Quando conseguimos algo, comemoramos e quando falhamos, reclamamos. Esses períodos ajudam a moldar o caráter e a pintar a tela da vida que ainda estamos a experimentar. Sem mudanças, nada disto seria possível.

  • Acreditar que problemas e oportunidades andam de mãos dadas:

    Naturalmente, criamos e fazemos a transição entre as quatro estações da vida como resultado da relação com o mundo. Isso significa que, a forma como interagimos com o ambiente, influencia diretamente o que readquirimos do mesmo, sejam eles problemas ou oportunidades.

  • Fazer sempre autorreflexão:

    Pensar em como a nossa vida mudou e se transformou ao longo do tempo, refletindo sobre os altos e baixos que experienciamos ao longo da vida.

A transição entre as estações da vida nem sempre é fácil. Pode ser necessário investir mais para que a mudança ocorra, principalmente se sentimos que o outono veio para ficar por tempo indeterminado. Se esta transição não se realizar de forma harmoniosa, corremos o risco de sabotar as nossas possibilidades de realização pessoal e de felicidade.

Se sente que algo o impede de avançar mais, está na hora de agir. Saiba que a PSIC disponibiliza um programa intensivo que auxilia na limpeza da carga emocional, a mudar comportamentos indesejados e potencializar o poder interno de decisão. Chamamos-lhe Programa de Detox Emocional Intensivo, dura habitualmente 3 semanas e pode ser feito presencialmente ou numa combinação de sessões presenciais e à distância. Contacte-nos para marcar uma consulta informativa gratuita.

Partilhar