Sabia que o chocolate é um superalimento?

A história do chocolate remonta ao ano 1500 a.C. e à América do Sul, onde o fruto do cacaueiro era aproveitado. Mais tarde, em 1502, Cristóvão Colombo trouxe as suas sementes para a Europa, local onde lhe adicionaram açúcar, dando origem ao chocolate como conhecemos hoje: doce, irresistível e, por vezes, viciante.

Esta iguaria é tão importante que mereceu um dia a nível mundial, o 7 de julho, relacionado com a sua inserção na Europa. É mal visto por muitos, porque faz engordar e muito elogiado por outros, por ter sido eleito um superalimento.

Se tem dificuldade em lhe resistir, há boas notícias: o chocolate traz benefícios para a saúde. Para além do seu agradável sabor, sabe-se que o chocolate ajuda a:

  • Aumentar a sensação de bem-estar
  • Reduzir o stress
  • Controlar o apetite
  • Melhorar o metabolismo
  • Fortalecer a memória e capacidade cognitiva

Costuma comer chocolate quando se sente desanimado ou triste?

Existe uma explicação para isso. O fascínio por esta iguaria começa antes da embalagem ser aberta pois possui a capacidade de interagir com a química cerebral. Os benefícios vêm dos flavonoides do cacau, que favorecem a saúde cardiovascular e podem aumentar o volume sanguíneo cerebral, combatendo o declínio da memória relacionado com a idade.

Além de melhorar as funções cognitivas, o chocolate também produz efeitos sobre o humor, devido à presença do aminoácido triptofano, um ativo importante para a sintetização de serotonina, a “hormona da felicidade”.

Leia também outras publicações:

 

Estes compostos são encontrados em maior quantidade nos chocolates amargos, versão 70% mínimo, devido à maior concentração de cacau. Chocolates mais doces também têm os mesmos compostos, mas em quantidades mais reduzidas e o seu excesso de açúcar limita as suas virtudes, tornando-se prejudicial. Diante de toda a gama de benefícios naturais, tem boas razões para consumir chocolate e aproveitar as sensações que este alimento traz. A melhor escolha é o chocolate amargo, mais puro e com pouco açúcar.

Consegue reconhecer o cheiro a cacau?

O olfato é uma excelente ferramenta no que respeita a descobrir as potencialidades do chocolate. A via olfativa e os canais neurais que regulam as emoções estão conectados. A sua fragrância e sabor formam estímulos que despertam lembranças de momentos agradáveis, funcionado quase como uma recompensa.

Como deve consumir o chocolate?

O modo como consume chocolate também está ligado à relação que construiu com a comida ao longo da sua vida e tem influência nos momentos que se vê sem orientação para lidar com as emoções. Quando consumir chocolate deve fazê-lo de forma equilibrada, respeitando a dose diária recomendada de mais ou menos 15 gramas. Fica como uma deliciosa sugestão, o café acompanhado de um quadradinho de chocolate, uma vez por dia.

Porque é que o chocolate é mais consumido no inverno?

O consumo de chocolate no inverno pode estar relacionado com estados depressivos pela ausência de sol. Trata-se de uma tentativa do sistema para regularizar os níveis de serotonina, através do consumo de chocolate. Mas quando o organismo está em desequilíbrio a absorção dos nutrientes do cacau será insuficiente para suprir as suas reais necessidades.

Quais os riscos para a saúde mental do consumo excessivo de chocolate?

O consumo excessivo de chocolate (e/ou de outros alimentos) pode mascarar estados emocionais com os quais tem dificuldade em lidar e que precisam da atenção de um profissional, que o ajude a orientar os seus hábitos e equilibrar o seu estilo de vida, promovendo uma gestão emocional adequada. Se pensa que este pode ser o seu caso, contacte-nos e marque uma consulta informativa gratuita – as nossas consultas podem ser presenciais ou online.

Partilhar